13 de abril de 2012

Flight Review - Air New Zealand


Pelo logo de origem maori, até que fica difícil identificar a empresa. 

Como já mencionado quanto falamos da Qantas, sempre tive curiosidade em voar com empresas aéreas não tão conhecidas, ao menos em território verde e amarelo.
Talvez parte deste fascínio seja porque entendo que a empresa aérea traz, não só no seu menu, mas também no trato e qualidade do serviço, um pouco da cultura e dos hábitos do seu país de origem. É uma questão de identidade nacional.
Acho que por isso sou um pouco saudosista quanto à Varig e até mesmo a TAM nos tempos do Cte. Rolim.
Air Bus A320.
Assim, sempre vi o voo como uma prévia do que iria ver ao desembarcar, simplesmente curtindo observar o comportamento das pessoas ao redor e da própria tripulação, até mesmo para ajudar a passar as intermináveis horas de voo.
Bom, por conta de tudo isso, sempre tive vontade de voar com a Air New Zealand, vontade esta que aumentou com a notícia de que eles tinham ganhado o prêmio de melhor empresa aérea do ano de 2012 segundo a imprensa especializada. Opa, mas o ano nem terminou?!?! Pois é, vai entender...
Jato da Air New Zealand no aeroporto de Christchurch.
Bom, a verdade é que parte deste reconhecimento decorre principalmente das preocupações dos kiwis (como são conhecidos os neo-zelandeses) com a questão ambiental.
A minha experiência surgiu a partir da necessidade de ir de Sydney (Austrália) para Christchuch (Nova Zelândia – sim, aquela cidade praticamente devastada pelo terremoto de 2011).
A rota voada.
Apesar de ter comprado o ticket pela Pacif Blue, o braço low cost da Air New Zealand, os vôos NZ 888 (ida) e NZ887 (volta) seriam operados pela mítica empresa kiwi.
Embora o preço de aproximadamente AUD 780.30 (com taxas e tudo mais para dois adultos) possa parecer alto demais para o nosso conceito de low cost e um vôo de aproximadamente 3 horas, é um valor até que baixo para os padrões de vida dos australianos e neo-zelandeses.
O check-in em Sydney impressionou não só pela simpatia dos atendentes (todos neo-zelandeses), mas também pela eficiência. Explico: como eles não permitem que as pessoas entrem na fila muito antes do horário de partida (justamente como eu e muita gente faz – Rsss), a fila fica pequena e rápida.
Pequenos excessos de bagagem também são bem tolerados, pois eles consideram o fato de você estar vindo do outro lado do mundo. Mas eu disse pequenos; algo como 1 ou 2 kg!!! Nada de querer passar com uma bigorna na mala!
Tive apenas um breve contratempo por conta da diferença entre o nome da reserva e o do passaporte, algo comum para quem tem nome cumprido. Mas nada que a gentileza e o bom humor neo-zelandês não pudesse resolver ali na hora.
Como era de se esperar, o embarque foi no horário e rápido.
Ambos os vôos foram operados em um A320.
A320
Já dentro do avião, como dá para notar pelas fotos abaixo, chamou a atenção foi o fato dos assentos e acabamentos serem pretos. Sim pretos, algo bastante incomum para um avião.
Isto sim que é All Blacks até o fim!
Bonito, mas reduz a impressão de espaço.
Apesar de ter gostado bastante do design, confesso que é algo estranho e talvez até mesmo um contra-senso, pois a cor preta reduz a impressão de espaço, fazendo o assento parecer ainda menor do que realmente é.
Um fato interessante é que durante a visita à Nova Zelândia vi no céu um avião preto, o que chamou muito a atenção por ser totalmente fora dos padrões.
Pesquisando, descobri que a Air New Zealand pintou alguns de seus aviões de preto justamente para comemorar a conquista da Copa do Mundo de Rugbi pelos All Blacks, a seleção nacional.
Créditos Wikipedia/Air New Zealand

Ficou simplesmente lindo!
Eu sei que não está certo, mas como 99,9999% das pessoas eu não presto atenção aos avisos de segurança. Todavia, o da Air New Zealand acabou chamando a atenção pela criatividade.
Vale a pena assistir para notar como é o senso de humor escrachado dos kiwis:



Gosto duvidoso? Ah que é isso. Convenhamos, cumpre com a missão de chamar a atenção dos passageiros, e até tirar uns sorrisinhos pelo avião.
Um detalhe interessante é que além de vários craques da seleção de rúgbi, aparece, na primeira fila e depois fazendo umas coreografias loucas, o Phil Keoghan, kiwi de nascença e apresentador do The Amazing Race, um reality show altamente recomendável para quem gosta de viagem, atualmente com “apenas” 20 temporadas.

Update (07/11/2012): como se já não bastassem os vídeos acima, a Air New Zealand soltou estes dias o seu novo vídeo de segurança à bordo com participação do elenco de Hobbit. Dê só uma olhada:



O entretenimento à bordo seque o padrão das grandes empresas, telas individuais, com conexão USB e controle remoto/telefone. Nada de mais.
I´m back in black! Tem trilha sonora melhor para chegar na Austrália num avião dos All Blacks?
Na volta, no pequeno, mas eficiente aeroporto de Christchuch, me deparei com a obrigação (já que não havia outra possibilidade) de fazer um check-in totalmente self-service, algo que eu ainda não tinha experimentado – já li que Dubai tem este sistema.
A coisa funciona assim: você vai a um totem, faz o seu check-in no computador (como o da TAM, por exemplo); a máquina imprime seu boarding-pass; você se dirige para uma outra área ali ao lado, na qual você pesa a sua mala (existe sim uma fiscal apenas para conferência, então nada de colocar aquela bigorna que você deixou de lado); cola a etiqueta da mala; e empurra a infeliz para a esteira. Pronto.
Totem para check-in eletrônico e coleta do bilhete de bordo e etiqueta da mala.
Hora de dizer até logo para as malas...
Prático né? É tudo tão rápido que você fica com a impressão de que está faltando algo.
Fila? ZERO! Coisa de primeiro mundo.
Resultado: nada de filas.
E olha que tinha bastante gente no aeroporto.
Pontos negativos? Sim, vocês devem estar sentindo falta de fotos de comida e tudo mais, como tivemos na Qantas e outras tantas empresa aéreas.
Pois é. Algo que eu não esperava e me decepcionou foi o fato de não terem servido absolutamente nada à bordo, e pior, não terem avisado que seria imposta uma dieta coletiva. Caso contrário eu compraria um fish´n chips para viagem. Rsss
Mas tudo bem. O que ficou mesmo foi a pontualidade e principalmente a simpatia do pessoal da empresa.
Nota 10 para a pontualidade.
Na volta, não estranhe se os atendentes lhe perguntarem por onde você passeou e se gostou. Eles gostam mesmo de conversar com os “gringos” que visitam aquele remoto e isolado pedaço de terra. Isto faz com que, mesmo sem ter ainda ido embora, já tenha vontade de voltar.
Balanço geral? Sim, a Air New Zealand agradou bastante, mas sejamos sinceros, mais pela eficiência do serviço de transporte (algo mais do que obrigatório) e pela simpatia das pessoas que lá trabalham, do que pelo serviço de bordo. Opa, que serviço de bordo? Você disse que não serviram nada... Serviram água uai!!!
Hora de relaxar e curtir o voo, com direito à vista do Mount Cook e um "rio" de nuvens abaixo.


Um comentário :

  1. Lindo Você é demais!!!
    Gostei muito das aeronaves pintadas em preto!!!

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, sugestão ou dúvida aqui