5 de janeiro de 2013

Dicas da TURQUIA (X) - Istambul - Passeio de barco no Bósforo

Hora de relaxar em Istambul!
Cansado de perambular pelas movimentadas ruas de Istambul?
Além do banho turco, outra excelente forma de relaxar é fazer um passeio de barco no Bósforo. Além da oportunidade para um programa relaxante, é uma excelente maneira de ver não só a cidade, mas também os seus arredores.
Um dos típicos ferries que fazem os passeios pelo Bósforo. 
Embora existam várias operadoras de turismo que ofereçam este passeio, recomendo que você o faça por conta. O principal motivo para isto é o custo e o fato de ser muito fácil ir sozinho.



Recentemente me apresentaram o orçamento de uma agência de turismo para este passeio, ali colocado como opcional ao pacote. Quanto? A bagatela de US$ 150 / pessoa, ou seja, mais de R$ 300,00, para você ter direito ao bilhete ida-e-volta do barco + um almoço – nada mais!
De outro lado, se você for por conta como nós, o ticket sai por 25TL, e o custo da refeição fica a seu critério. Nós não gastamos mais que 50TL para duas pessoas almoçarem, e bem!
Notou como alguém está ganhando muito dinheiro neste esquema?
Partindo de Istambul.
O chamado Chifre de Ouro e o Palácio Topkapi.
Casas a beira-mar.
Bom, mas voltando ao passeio... os ferries partem do píer n.º 3 no porto de Eminönü, próximo à ponte Gálata, e com duas opções de passeio. Uma mais curta que tem praticamente 1 hora de navegação e outra mais longa que te lava até Anadolu Kavağı, a última cidade antes do Mar Negro.
Olhando assim, não parece um lugar bacana qualquer no Mar Mediterrâneo???
Tem até praia!!!
Como queríamos almoçar em um lugar bacana e ao menos ver o Mar Negro, ficamos com a opção de ida e volta até Anadolu Kavağı. Neste caso, separe ao menos a manhã ou tarde para fazer o passeio com calma.
A passagem deve ser comprada no mínimo uns 30-40 minutos antes da partida, no quiosque próximo ao píer n.º 3. Na alta temporada (primavera-verão), chegue ainda mais cedo (praticamente 1 hora antes), pois a demanda pelos bilhetes é grande.
Embora existam várias paradas no caminho, siga até o final da linha.
No caminho, vários clubes à beira-mar.
O Galatasaray tem até uma ilha artificial com piscina, restaurante e etc!
Ah, mas quem não vai no clube não deixa de se divertir pulando do telhado do restaurante.
Olhando esta água azul e limpa, mais o calorão, juro que eu quase pulei do barco!
Para aqueles que não quiserem voltar de barco, a própria empresa que vende os bilhetes no píer oferece a possibilidade de ir de barco e voltar de ônibus.
Como já dissemos anteriormente, é o Estreito do Bósforo que divide Istambul em duas partes, uma situada no continente asiático e outra no europeu. E se considerarmos o sentido norte sul, ele liga o Mar Negro, ao norte, com o Mar de Mármara, ao sul. Isto justifica o intenso movimento de navios de tudo quanto é tamanho.
Tem transatlântico,
Cargueiro que parece que não vai passar pela ponte,
Muitos navios pesqueiros...
E também outros que parecem de brinquedo...
Fazendo esta ligação entre os dois continentes existem duas pontes, a Ponte do Bósforo (Boğaziçi Köprüsü), mais ao sul; e a Ponte Fatih Sultão Mehmet mais ao norte.
A mais conhecida delas, a Ponte do Bósforo foi aberta em 1973 e tem 1.510m de comprimento – são 1.074m de vão livre. Espaço suficiente para passarem os navios cargueiros e transatlânticos que frequentam aquelas águas.
Ponte do Bósforo.
Uma das maiores do mundo.
Existe a previsão que em alguns anos os turcos inauguraram um túnel ferroviário com pouco mais de 13km de extensão para fazer a ligação por baixo do mar – na verdade já era estar funcionando desde o ano passado.
Durante o passeio você notará que existem duas fortalezas às margens do Bósforo.
De um lado você poderá ver a Fortaleza da Ásia, uma fortaleza construída entre 1396 e 1397, ou seja antes da tomada de Constantinopla.
E no lado europeu, a Fortaleza Europa, que fica no ponto mais estreito do Bósforo e foi construída em 1452 como um primeiro passo para a tomada de Constantinopla em 1492.
Fortaleza Europa.
O interessante é que ela foi construída por mais de mil pessoas em apenas 4 meses. Após a tomada da cidade, passou a servir de prisão, principalmente para os estrangeiros que não eram muito bem vindos.
Chamou atenção no decorrer do passeio a quantidade de casas de alto padrão, especialmente na região de Yeniköy.
Morar assim debaixo da ponte até eu!
Tem casa de tudo quanto é estilo.
Reparem nos espantalhos à moda turca! Vai entender...
Olha a cara de preocupado do sujeito. Este é o famoso "mora mal". Que dó!
Sinceramente, fiquei morrendo de “dó” destes pobres coitados que têm que viver neste lugar tão “feio”. Imagina você acordar e dar de cara com esta paisagem, esta água azul, vegetação... Que dó!
Acredite ou não a água é tão limpa que conseguimos ver até golfinhos nadando perto dos barcos!!!
A parada final do nosso passeio foi Anadolu Kavağı, uma pequena e charmosa vila de pescadores.
Anadolu Kavagi.
Não pense que são poucos os turistas que visitam o vilarejo.
A cada barco que chega, uma multidão lota o lugar. 
As pitorescas casas beira-mar do vilarejo.
Hora de esticar as pernas! Sugiro que você desça do ferry e aproveite o tempo para andar pelo vilarejo e talvez até almoçar por lá. Só fique atento ao horário da volta.
E já que a ideia é esticar as pernas, não deixe de visitar o Yoros Castelo (Yoros Kalesi), um castelo em ruínas que fica numa colina exatamente na junção entre o Bósforo e o Mar Negro.



A importância estratégica do lugar justifica o fato de que o castelo já foi ocupado por bizantinos, genoveses (que dominaram a região lá pelo século 15) e otomanos. Entretanto, escavações arqueológicas – ainda em andamento – revelaram vestígios de civilizações muito mais antigas na região, como por exemplo indícios de ocupação grega.
O Castelo visto a partir do Bósforo.
Uma das torres do Yoros.
Para chegar lá, basta seguir as placas espalhadas pelo caminho. Moleza!
     Particularmente eu não vi nada de mais no castelo, pelo contrário. As ruínas estão em péssimo estado de conservação. Todavia, a vista do topo da colina faz compensar os 15 minutos de caminhada íngreme para chegar lá.
De um um lado, o Bósforo, de onde viemos.
E do outro o que fez valer a caminhada. Avistar o Mar Negro.
À esquerda Europa, e à direita Ásia.
A importância estratégica e militar da região é enorme. Existem vários avisos como este.
Não sei porque (?), mas acho que não devia ter tirado foto deste local...
De um lado você avistará o Bósforo e do outro o Mar Negro, onde literalmente a Turquia acaba, e começam (no sentido horário) Bulgária, Romênia, Moldova, Ucrânia, Rússia e Geórgia.
De volta ao vilarejo, aproveite para almoçar num dos restaurantes locais onde servem deliciosos pratos à base de peixe a preços justos.
Alguns peixes são fritos...
E outros são tão frescos que estão até vivos!
Nós escolhemos o Ismailin Yeri.
Mais por conta da vista do estreito.
Mas a comida não decepcionou! Peixe no espeto.
Na sua volta para Istambul, quase chegando à cidade, do lado direito do barco, aproveite para apreciar o Palácio de Dolmabahçe (Dolmabahçe Sarayi).
Embora seja possível visitar os seus aposentos, como já tínhamos visitado o Topkapi Palace, consideramos que a nossa cota de palácios já tinha esgotado! Mas se você puder visitar, vale a pena.
O Dolmabahçe, cujo nome significa jardim aterrado, foi construído em 1856 para servir de residência para o último sultão otomano. Com o advento da república turca, ele passou a ser utilizado como moradia temporária para o presidente Atatürk, que aqui faleceu em 10/11/1938.
Fachada do Palácio Dolmabahçe.
Curiosamente, o palácio foi construído de forma extremamente luxuosa em um período em que o império otomano já estava em declínio. Tanto a área pública como a que se prestava à vida familiar do sultão só podem ser visitadas com um guia – existem duas opções de tour.
As principais atrações são a Escadaria de Cristal, feita de cristal Baccarat; Salão Süfera; o Banheiro Principal, com suas paredes de alabastro e metais de prata; o Salão Cor-de-Rosa que era frequentado pelas mulheres do harém; o Salão Azul para festas religiosas; e o Salão Cerimonial que segundo, dizem tem o lustre mais pesado do mundo.
O palácio abre diariamente (exceto quintas-feiras) das 9h00 às 16h00 e o ingresso custa 20TL. Para tirar fotos, paga-se uma taxa adicional de 20TL.
De volta à terra firme, aproveite que você está na região do porto de Eminönü, e dê uma olhada na Estação Sirkeci (Sirkeci Gari), na Sirkeci Istasyon Cad.
Fachada da Estação Sirkeci.
Ok, mas o que uma simples estação de trem pode ter de tão interessante?
Bom, esta não é uma estação de trem qualquer. Ela foi construída em 1890 exclusivamente para receber o mítico Oriente Express, o trem que ia de Paris à Istambul (2.900km) em 3 dias numa das viagens mais exóticas e exclusivas do seu tempo.
Restaurante na estação.
Saguão principal. Fiquei imaginando aquele povo aristocrata-europeu chegando num lugar tão exótico.
Não é difícil imaginar uma maria-fumaça do século 19 na plataforma de embarque.
Naqueles tempos, ir ao oriente distante, Istambul, era o máximo!
Ora, sem qualquer conotação de piada, era mesmo. A viagem, sinônimo de exotismo e luxo, inspirou nada menos que 19 livros e 6 filmes.
Pena que a linha, com este trajeto, foi desativada em 1977.
Sim! Eu tenho uma paixão por gaivotas!
          No próximo post, nos despedimos de Istambul para voarmos à Capadócia.

Booking.com

6 comentários :

  1. Legal! Quanto ao preço do passeio de barco faltou dizer que a Lira Turca é quase igual ao Real, não é?
    Na data da Fortaleza parece que há um 2 a mais no ano de término da construção, não?
    É possível parar em qualquer ponto ao longo do trajeto? Ou é obrigatório ir e voltar no mesmo barco?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exato, o valor atual é quase o mesmo que o do real.
      Pelo que a empresa informou na época, não é possível descer em outras paradas que não a final. Vale consultar as regras na época da viagem.

      Excluir
  2. Estamos viajando com vc nestes posts e anotando todas as dicas...que serão muito útil em breve. Obrigada por compartilhar com tanta riqueza de detalhes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gisele, muito obrigado.
      O nosso objetivo 'e este mesmo.
      Fique 'a vontade para eventuais duvidas e sugestoes.
      Abraco (desculpe a falta de acentos, PC novo. Rsss).

      Excluir
  3. Parabéns pelo seu post, vamos pra Istambul nos dias 25/12 a 28/12 de 2013.Sobre o passeio de barco, vcs fizeram o de 25 TL completo, que é ida e volta (cada pessoa).Nesse passeio eu li que o barco para em algumas estações.Ele para só para tirar fotos ou pode sair e entrar pessoas.Uma vez que saiu pode entrar novamente ? Vc se lembra em qual das estações ele para ? No final do trajeto, precisa pagar para entrar no castelo Yoros ?quanto tempo de parada ?
    Queria saber tb sobre o Castelo de Topaki, vale a pena conhecer ? Parace que li que tem 2 tipos de ingresso do museu custa 20 liras turcas e o do harém, 15 liras, vcs foram em qual ?
    Nas mesquitas tem que tirar os sapatos ou tenis ? ninguém rouba?rss

    Queria saber sobre o Istanbulkart, vale a pena ? Li que ele passa para 5 pessoas mas fiquei na duvida, no meu caso serão 2 pessoas (eu + minha esposa) passando o cartão para nós dois, será dado desconto para as 2 pessoas ou só para a primeira ? Vcs chegaram a usar o Istanbulkart ?
    Tem algum restaurante a recomendar em Sultameth ?
    Obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eduardo,
      Ual!!! Quantas perguntas... Legal! A proposta é esta mesmo. Vamos lá.
      Este preço era para ida e volta. Tenha em mente que ele é um barco de linha que serve a população local. Dai decorre a vantagem do preço e a desvantagem de que uma vez desembarcado, para seguir a diante, paga-se nova tarifa.
      Não pagamos nada para ver o castelo, não que eu me lembre. Já adianto que as ruínas estavam em péssimo estado. Infelizmente não lembro o tempo de parada, mas deu para almoçar, dar uma volta pelos arredores, com subida (puxada) ao castelo. Acho que é bastante tempo. Lá no pier em Istambul você conseguirá confirmar esta informação.
      Olha, é sempre muito pessoal... Eu gostei muito do Topaki. Acho que compensa. Existe sim esta diferença de valores e eu considero que o harem é uma das áreas mais interessantes.
      Sim, tem que tirar os sapatos. Rsss não, ninguém rouba, eu acho (!) É um costume local. Lembro que em uma delas, eles nos davam uns sacos para colocar os sapatos e levar junto.
      Agosto passado em CIngapura, visitamos um templo hindu onde o ritual é semelhante. Como a porta era na rua e os sapatos ficavam ali espalhados pela calçada, resolvi levar junto. No geral não levam não, pelo menos nunca ouvi algo assim.
      Putz, quanto a este cartão fico te devendo. Sempre que visito uma cidade faço as contas considerando atrações que pretendo ver x preço dos ingressos para ver se vale mesmo a pena. Geralmente, eles só são vantagem para que visitará muitos pontos. Veja se é o seu caso.
      Restaurante... fiquei apenas com os que estão nos reviews dos posts.
      Boa viagem e não deixe de experimentar o banho turco!!!!

      Excluir

Deixe seu comentário, sugestão ou dúvida aqui