5 de julho de 2013

Dicas da Inglaterra (V) - Londres: um paseio pela Harrods

 
Harrods, tão típica quanto os táxis londrinos.
Ok, compras pode não ser o seu programa favorito ou vocês podem estar numa viagem daquelas nas quais não se compra quase nada por conta do orçamento apertado (compreensível em se tratando de Inglaterra), mas eu sugiro que vocês visitem ao menos uma loja em Londres: a Harrods.
Esqueçam tudo que vocês possam saber ou ter de idéias pré-concebidas a respeito de lojas de departamento.
Embora não me julgue de forma alguma um especialista no assunto, tenho um certo gosto por este tipo de loja. Talvez resquício de infância, dos tempos de Mappin.
Por isso mesmo que quando viajo sempre procuro dar uma olhada nelas. Acho-as interessantíssimas.
Embora já tenha visto algumas bem legais como Takashimaya, Macy`s, Galeries Lafayette, El Corte Inglés, Myer, KaDeWe, e por ai vai, nunca havia visto algo como a Harrods.
Não que ela seja a maior do mundo, até mesmo porque salvo engano este posto é da Macy`s, mas sim porque ali é possível encontrar itens que nós dificilmente encontraríamos em uma loja de departamentos, por mais variada que ela possa ser. Ou às vezes nos deparamos com itens que nem sabíamos serem vendidos por ai...
Detalhe do elevador.
Mas algumas coisas da decoração são beeem estranhas.
Enquanto escrevo este post a Sra. Cumbicona me lembrou de uma frase que ela disse ao sair de lá: "nunca mais chamo um lugar de chique depois de conhecer a Harrods". Simples assim, a mais pura verdade!
Desde itens relativamente simples a itens de altíssimo luxo, daqueles que a maioria de nós jamais poderia comprar, encontra-se de tudo um pouco lá.
Sinceramente não acharia estranho se um membro da família real entrasse pela porta.
Por falar nisso, do lado de fora o ER símbolo da realeza em comemoração ao Jubileu da Rainha.
E lá dentro chocolates comemorativos do Jubileu.
Mas não pense que você, como eu, turista que anda de jeans, tênis e camiseta – eventualmente com uma máquina no pescoço será tratado como um reles curioso não.
Na chegada à loja, a primeira coisa que chama a atenção é o fato de que, seja você um sheik árabe bilionário, um mero súdito da Rainha, ou ainda um simples viajante-brazuca-curioso, você será tratado com a mesma, excelente, educação britânica.
Digo isto porque na rua lateral na qual fica uma das entradas, após um tempinho ali sentados observando o movimento, notamos que o porteiro, um senhor muito simpático, abria tanto a porta dos Rolls-Royces que ali paravam, quanto dos simples táxis com o mesmo sorriso e cordialidade.
Olha ele ai!
Vimos até ele tirando fotos com umas turistas. Ok, ai já é mico demais...
É justamente por isso que o público no seu interior é incrivelmente heterogêneo. Vimos desde senhorinhas comprando chás até famílias abastadas sentadas em finas mesas de cristal no departamento de decoração discutindo com a decoradora o que comprar para sua, presumo eu, chiquérrima residência.
Enfim adorei!
Não é porque você só tem dinheiro para comprar um par de meias, ou até não precisa mais que isto naquele momento, que amanhã você não poderá voltar lá e comprar aquela jóia. É... tem muito comerciante de shopping “Classe AAA” (odeio este termo) que deveria ter umas aulinhas na terra da Rainha.
Embora os preços sejam sim altíssimos, existe uma concorridíssima liquidação anual onde os londrinos literalmente limpam a loja.
Se vocês acessarem a loja pela sua entrada principal, situada na 87-135 Brompton Road, perto do Hyde Park, muito provavelmente a primeira seção que vocês verão será a de sapatos e bolsas femininas.
Leitoras, duvido vocês passarem reto sem olhar!
Sugiro seguir para a próxima seção, a das jóias e relógios, uma área que infelizmente não se pode fotografar por questões de segurança.
Infelizmente minhas palavras não bastam para descrever o que existe ali.
Existem jóias de tudo quanto é tamanho, estilo e gosto. Coisas que eu não duvidaria que poderiam estar no Palácio a poucos metros dali.
Um detalhe que impressiona é a beleza das vendedoras – posso dizer isto na maior tranquilidade, pois a Dona Cumbicona reparou o mesmo nos vendedores. Todos atenciosos, chegam a perguntar se você quer ver algo em especial. Quase respondi que sim, alguns milhões de libras na minha conta...
O interessante é que você vai andando pela seção de jóias e de repente passa por uma porta que parece ter um batente mais largo. Uma olhada mais atenta revela... Você está dentro de uma sala que quando a loja está fechada literalmente vira um cofre. Olhei mais atentamente e notei que as portas discretamente embutidas no batente eram da espessura de quase um palmo.
Preciso dizer o naipe do que havia ali dentro???
Para quem curte relógios, o departamento é uma perdição.
Sugiro que vocês literalmente não percam muito tempo ali não, pois na minha opinião a área mais interessante de toda a loja é aquela situada no centro do andar térreo, a área de gêneros alimentícios por assim dizer, o Food Hall.
Iguarias do mundo inteiro com uma apresentação que justifica os preços. Pura perdição.
Acho que as fotos falam por si só...
Food Hall. Reparem nos lustres.
Itens com apresentação perfeita.
Parecem até de plástico.
Vários pequenos balcões servem itens feitos na hora.

Nunca tinha visto ovo de avestruz à venda.
Até carne que nem sempre tem uma cara bonita, é belíssima lá.
Salmão defumado. Hummmm!
Para comer o caríssimo caviar, eles oferecem (ou melhor, vendem) pequenas colheres de ouro e madrepérola. 

Frutos do mar.
Chás de tudo quanto é sabor. Não resistimos!
Comida-pronta-chique.
Olhem o tamanho destas azeitonas!
Até simples pães ganham um toque diferente.
Minha perdição, queijos!
No fundo do andar, uma charmosa casa de chá. Pena que era muito cedo para um tea!
Os andares de roupas são sim interessantes. Eu nunca tinha visto roupas para crianças da Gucci por exemplo. É verdade que algumas coisas pareciam meio exageradas.
Bem, neste caso não é nada exagerado. Pessoal, meu aniversário está chegando. Aceito qualquer coisa deste departamento!
Um departamento razoavelmente grande e que eu não esperava encontrar era o Pet Kingdom. Pois é, até isso a Harrods tem. Bem que quis levar um souvenir para a Cumbicacão, mas em pounds não dava!
Souvenir.
É mole?
E mais mimos.
Enfim, se você tem ou gosta de animal de estimação, não deixe de passar lá, eles até vendem filhotes!
Fanático por qualquer coisa que ligue na tomada ou tenha baterias, dei uma bela conferida no departamento de eletrônicos. Muita coisa bacana, mas nada que vocês não possam encontrar nos EUA por exemplo.
Bem, para ser sincero tinham algumas "maquininhas" fotográficas da Ferrari.
E uma seção de áudio da Bang Olufsen. Tenho um amigo que morreria se lhe dessem um apetrecho destes! Né Edu?
Eu sei que depende muito do gosto de cada um, mas uma seção belíssima é a de decoração e coisas para casa. Muita coisa bonita. O único defeito é que com os corredores estreitos e vários itens bem mais caros do que eu poderia pagar, me senti uma criança numa loja de cristais.


De cristais Baccarat para cima.
- James, embrulha tudo e despacha lá em casa, please!
Recomendo.
Uma de minhas perdições nestas lojas de departamento é a seção de brinquedos. Não falei que é algum resquício de infância este lance de loja de departamentos?
A área dedicada aos pequenos na Harrods é fantástica.
O bacana é que eles até oferecem alguns brinquedos mais modernos e atuais, mas notei que eles dão uma ênfase um pouco maior em brinquedos tradicionais. Parecia até meio vintage.
Muito legal!
Bichos de pelúcia.

Carrinhos e etc.
Hoje um destes no quarto do baby ficaria bacana!
Uma outra surpresa foi visitar uma área na qual infelizmente também era proibido tirar fotos, a área de colecionáveis.
Para não dizer que não deu para tirar nenhuma, de longe consegui esta. Um veículo de mergulho!!!
Ali tinha de tudo, de uma camiseta do Xavi usada na final da Copa do Mundo de 2010 e assinada pelo time inteiro, até um contrato dos Beatles; só para citar alguns itens. Quanto? Putz, era tanto zero depois do número que nem lembro... Nome da seção? Millionaire Gallery. Fica no 3º piso.
Cientes de que a loja é mais que uma simples loja de departamentos, e hoje é vista como uma atração turística da cidade, a administração permite fotos, salvo nas áreas das jóias, bancos, artigos raros/colecionáveis ou região dos cofres situada no subsolo. Mas lembrem-se descrição é tudo hein!
Neste link vocês encontrarão uma planta dos andares e outras informações práticas para a sua visita.
A história da loja começou em 1835, quando Alexandre Henry Harrod, passou a vender chá e outros itens numa pequena loja, até mudar para o atual endereço em 1849. Aos poucos ele foi comprando os imóveis vizinhos até chegar no tamanho atual – um quarteirão.
Olha o tamanho que ficou!
Na década de 80, a loja foi vendida para o milionário Mohamed Al-Fayed. Sim, aquele, pai do falecido namorado da Princesa Diana. Tanto que existe um memorial para eles na própria loja.
Olha eles ai. É meio triste mesmo.
E aqui também.
Ali perto, algo que parece um fóssil... Será?
Hoje a loja pertence a um grupo empresarial do Qatar. Pois é, coisas de globalização...
A Harrods normalmente funciona de segunda a sábado das 10h00 às 20h00; e domingos das 11h30 às 18h00; mas sugiro sempre consultar o horário atualizado no site deles.
Assim, volto a insistir, seja você um bilionário, seja um simples viajante curioso, não deixe de dar uma passada na Harrods e dar uma espiada nos seus interessantíssimos departamentos.
É bem verdade que se você for um bilionário, a sua visita renderá bem mais que boas recordações, mas ai já é outra estória!
Se comprei algo? Claro, pelo menos uma caixinha de Breakfast Tea, não dava para sair sem aquela sacolinha verde e um típico chá da loja mais tradicional da Inglaterra né?

Booking.com

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Deixe seu comentário, sugestão ou dúvida aqui