29 de dezembro de 2013

Dicas da Tailândia (VII) - Bangkok: Onde comer e Noções da culinária tailandesa


Não tenho dúvidas que a culinária tailadesa renderia muito mais que um post.
Ainda que bem menos conhecida de nós brasileiros, se comparado com a cozinha chinesa e japonesa, a cozinha tailandesa é uma das mais saborosas do mundo. O fato é que a cozinha tailandesa é muitíssimo apreciada por viajantes do mundo inteiro.
Quem nunca assistiu Anthony Bourdain andando pelas ruas de Bangkok não sabe o que está perdendo! Tudo bem, eu e principalmente a Sra. Cumbicona, somos fãs do sujeito; mas é fato que a imagem mais típica que tenho do programa dele são as comidas de rua do sudeste asiático.
É verdade que não é tudo que vejo que tenho vontade, leia-se coragem, de experimentar, mas olhar ainda não queima a língua nem resulta em problemas digestivos outros.
O que eu sei é que Bangkok parece o cenário típico para um episódio do programa dele.
Isto porque a chamada street food que de uns anos para cá, tão em voga em países como os EUA por exemplo, é algo que sempre existiu de forma maciça no sudeste asiático. Faz parte da cultura deles.
A qualquer hora do dia, as barracas se espalham pelas ruas.

Sente-se o cheiro de tudo quanto é tipo de comida.

Penso que é possível, dependendo do seu gosto é claro - leia-se coragem - passar uma estadia inteira lá sem sentar ao menos uma vez numa mesa de restaurante, ou seja, comendo apenas street food. Digo isto porque o costume local não é simplesmente sentar diante de uma mesa e ter refeições definidas (café, almoço e janta), mas sim várias pequenas refeições durante o dia.
Veja o lado bom, experimenta-se de tudo. Difícil é saber o que escolher, e eventualmente saber o que não lhe caiu bem para não repetir a dose no dia seguinte. Kkkk.
Desculpem o meu “pessimismo gastronômico”, mas é puro medo mesmo. Só a Sra. Cumbicona sabe quantas vezes deixei de comer algo em viagem por mero receio. Mas estou em processo de melhoria e desapego... Aliás nesta viagem pratiquei bastante.
É fato que a limpeza pode não ser lá aquelas coisas... Aliás um dos maiores riscos à segurança dos turistas é justamente mal estar por conta de alimentos.
Mas como saber se o lugar é confiável. Bom, ao menos que você tenha um microscópio no bolso, as seguintes sugestões podem ajudar: repare nas roupas e aspecto geral dos atendentes (desculpem a franqueza, mas gente limpa não costuma servir produtos contaminados); repare na limpeza geral do lugar (ambiente, utensílios e etc.); e por fim procure lugares com filas (lugar cheio mostra que os alimentos não ficam muito tempo expostos). Passou no teste? Hora de curtir um prato típico local.
Pelas ruas, tem comida desidratada.
Frituras preparadas e expostas literalmente no meio da rua.



As redondezas mais recomendadas para este tipo de aventura gastronômica são Bang Rak (entre a estação Taksin BTS station e o cruzamento entre Charoen Krung and Silom Road), Victory Monument (BTS: Victory Monument), Soi Ari (BTS: Ari), Chinatown e Ratchawat.
Mas afinal, o que esperar da culinária tailandesa?
Como já comentei anteriormente, antes da viagem eu era um perfeito leigo no assunto. Longe de ser um expert em culinária tailandesa, hoje sei um pouco a respeito.
Depois de ler bastante a respeito, senti que não esta ainda pronto; e dias antes de viajar fomos a um restaurante aqui em São Paulo para testar os paladares. Às vezes é melhor chegar ao destino sabendo mais ou menos o que esperar.
E que bela surpresa!!! Confesso que depois deste jantar de ensaio aqui no Brasil o meu estômago foi viajar mais esperançoso. Ufa!
E o melhor disto foi que o sabor da comida daqui era, e muito, semelhante ao experimentado lá, coisa que nem sempre é verdade. Que diga aquele que comeu uma pizza em São Paulo e foi provar uma em Roma. Ou a comida “chinesa” daqui versus a de Beijing... São as adaptações locais!
Para não dizer que não tem diferença, achei a de lá um pouco melhor (tem que escolher bem o restaurante é verdade!), e muito, mas muito mais barata, como já dissemos na introdução à Tailândia.
O bacana da cozinha tailandesa é que nem tudo é tão apimentado como em outras culinárias orientais. A comida tende a ser bem temperada, isto sim.
Com muitos itens vindos do mar.
Eles seguem a linha do "quanto mais fresco (leia-se vivo), melhor".


Existem alguns itens que são bem típicos da culinária tailandesa:

1- Arroz-de-jasmim: é um arroz com grão mais alongado, com aroma e sabor distinto do tradicional – tende a ficar mais “papa”.
2- Leite de coco: pode ser tanto na sua forma mais fina quanto mais grossa (creme de coco). Muitos lugares usam não usam versões industrializadas, dando mais autenticidade.
3- Flor de lírio: como assim flor??? Pois é, lá eles utilizam estas flores em tiras para dar um aroma à comida.
4- Pasta de camarão: dizem que o cheiro é horrível, mas misturada a certos pratos até que dá para encarar.
5- Galanga: é uma planta também utilizada para dar mais aroma à comida.
6- Limão kaffir: é um limão extremamente aromático de casca grossa e enrugada.
7- Açúcar de palmeira: quase que uma rapadura. Muito usada para adoçar certos pratos.
8 - Pasta e molho de tamarindo: dá um gosto ácido aos pratos.
9- Molho de peixe: também conhecido como nam pla, é usado para salgar os pratos. Deu para notar que para açucarar, azedar ou salgar os pratos, eles usam itens que são bem diferentes das escolhas óbvias?
10- Macarrão de arroz: pode parecer estranho, mas lá eles fazem o arroz, secam, transformam em farinha e depois em macarrão. Por isso não precisa cozinhar, basta adicionar água para servir.
11- Pasta de curry: eu nunca entendi muito bem o que é o curry... talvez pelo cheiro forte e porque meu pai sempre me disse que não era bom. Desta vez resolvi guardar a lição da Sra. Cumbicona... Curry é na verdade uma mistura de temperos e ervas, ou seja, cada um faz a sua receita. Mesmo assim não me apeteceu... Um dia aprendo!
12 - Camarão seco: é a base de várias receitas, como por exemplo o pad thai (macarrão de arroz frito).

Uma tendência à qual a maioria de nós não está acostumado e que pode ser estranho à primeira bocada é o fato deles gostarem de misturar sabores e sensações. É comum encontrar pratos que misturam doce, azedo, salgado, apimentado e amargo.
 
Espetinhos em Phi-Phi.
Arroz frito em grande estilo. 
E bem mais simples! Reparem na colher que eles usam.
Arroz frito com camarão.
Acreditem, tanto este quanto o debaixo são Pad Thai.
Este bem melhor é verdade! Até mesmo a forma de preparo muda muito de lugar para lugar.
Vamos a algumas opções do que comer na Tailândia de mais tradicional:

1- Noodle Soup: sopa de macarrão, legumes e temperos como coentro. Pode acompanhar frango ou porco.
2-  Tom Yum Goong: é uma sopa apimentada de camarão com capim.
3- Pad Thai: é o macarrão frito local. Feito à base de arroz, leva cominho, cebola e ovo. A variação Khao Pad Kung é com camarão. Quer uma receita? Veja esta do Armazém das Especiarias. Não volte de lá sem ter provado ao menos um!!!
4- Gaeng Daeng (Red Curry): carne, curry vermelho e leite de coco.
5- Tom Kha Kai: é frango no molho de leite de coco e temperos variados.
6- Boong Pak Fai Daeng: é uma salada verde com alho, pimentão e molho de peixe.
7- Gaeng Keow Wan Kai: arroz, curry, leite de coco, pedaços de frango, berinjelas, brotos, temperado com coentro e manjericão.
8- Yam Nua: carne, cebola, coentro, hortelã, limão e pimentão.
9- Pad see ew: é um Macarrão de arroz doce frito com brócolis chinês e molho de soja escuro.
10- Som Tam: acredite ou não é uma salada de mamão verde cortado em finas tiras além de tomate, pimenta e grãos.
11- Moo ping: são espetos de porco com molho picante de peixe, coentro e leite de coco cremoso.
12- Boat noodles: esse é estranho... vai sangue de porco, broto de feijão e pedaços de carne de porco ou carne.
13- Khao pad poo: é arroz de jasmim com molho de peixe e caranguejo. Às vezes vai coentro e limão.
14- Moo dad diew: carne de porco marinada num molho de soja escuro, com raiz de coentro picado e o onipresente molho de peixe.
15- Cha yen: este é interessante... trata-se de um chá preto gelado aromatizado com anis e tamarindo.
16- Khao niew ma Muang: a aparência não ajuda, mas dizem que este prato de arroz com manga (!!!) é delicioso. Pode ser coberto com amendoim ou gergelim torrado. Momento “mistureba”!!!
17- Khanom Krok: procurando uma sobremesa exótica? O kanom Krok é um pudim de coco à base de farinha e leite de coco, cozido no carvão. Até aqui ok, o “problema” surge quando eles misturam cebolas fritas crocantes como cobertura.

Os tailandeses apreciam desde sucos conhecidos nossos como o de goiaba (guava), até outros bem diferentes, como o dragon fruit (feito com uma fruta doce de casca rosa – aqui vendido como pitaya) e mangostin.
Eu particularmente não curto muito a nossa goiaba, mas a deles parecia ao meu paladar uma outra fruta. Suco de guava era presença constante no café da manhã.
As bancas de fruta são presença constante nas ruas de Bangkok.
Pitaya ao centro.
Mangostin (a da direita).
É possível até mesmo encontrar o Durian, típico do sudeste asiático.
Transportá-lo no avião, apenas assim, por conta do forte (e desagradável) cheiro.
Guava desidratada.
Mas onde comer tudo isso?
Olha se você quiser de aventurar pelas barracas de street food pelas ruas não só de Bangkok como de qualquer outra cidade, certamente encontrará este e outros tantos itens típicos locais.
Eu particularmente fiquei doido por provar este sorvete “instantâneo”, mas infelizmente não encontramos pelas ruas! Teria sido uma excelente opção para amenizar o calor.
Mas e aquelas coisas estranhas que vemos na TV como insetos e etc? Eles comem mesmo? Sim, elas existem, principalmente nos arredores da Khao San Road é possível encontrar barracas vendendo de tudo: minhocas, grilos, e até baratas (ixiii). Se for encarar, veja como uma enorme fonte de proteína. Será que desta vez consigo?
Hum! Tô fora!
Grilos, achei que iria ter coragem desta vez. Mas não deu!

A coisa é tão arraigada na cultura local que existem até mesmo versões “industrializadas” – quero ver é entrar com isto na alfândega brasileira.
Em Bangkok, nós particularmente optamos por ir aos restaurantes situados nos shoppings de Siam, em todos eles vocês encontrarão excelentes opções que vão desde restaurantes locais até uma unidade do Food Republic.
Food Republic do Siam Center.
Para quem não conhece, o Food Republic é uma rede bastante presente nos países do sudeste asiático (e até na China – UFA!!!) onde você pode provar itens não só da culinária local, como também dos países vizinhos com a certeza de que o local é limpo.
Trata-se de uma área relativamente grande, geralmente situada dentro de um shopping ou de um centro comercial, no qual eles instalam várias pequenas cozinhas e cada uma prepara um tipo de comida.
Além de tailandesa, tem comida típica de algumas regiões da China, por exemplo.

Você passa pelo balcão, dá uma olhada naquilo que quer comer, vai ao caixa central onde adquire-se um cartão que é carregado com dinheiro e debitado a cada compra de comida ou bebida (estas num quiosque próprio). Aqui o primeiro ponto: nenhum dos atendentes das cozinhas pega em dinheiro.
Depois de escolher o que comer, carregue seu cartão com dinheiro.
As mesas coletivas. Bem melhor, assim cabe todo mundo.
Dois pratos com o típico arroz-frito.
Frango empanado com sopa.
É um dos poucos lugares em que eu colocaria a minha mão no fogo para comer qualquer coisa sem receio de passar mal. Tanto que um dia chegamos mais tarde e vimos eles lavando todo o local. Uma maravilha.
As mesas são dispostas como em uma praça de alimentação, algo parecido com um Hawker de Singapura, do qual ainda teremos oportunidade de falar. Também, não é para menos, o Food Republic é uma invenção dos singapurianos!!!
Enfim, com preços justos e excelente variedade e qualidade, é uma excelente e confiável opção para uma refeição mais despojada em Bangkok.
Mas e a vida noturna? Confesso que ao pesquisar a respeito da vida noturna de Bangkok não encontrei muita coisa não, talvez até porque baladas já não são a minha praia faz um tempo. Estou mais para curtir um pub ou algo parecido!
Em Bangkok preferimos passar a noite pelas ruas curtindo o clima dos street markets com uma cerveja local. Aliás recomendo e muito a Singha fala-se sing que é fabricada desde 1934; e a Chang. E por falar em bebidas, quem quiser pode também experimentar o whisky local, feito de arroz - uma das marcas mais conhecidas é a Mekong.

Sim, isto é uma Coca-Cola!
Abuse dos sucos.
E água de côco.
Um côco deste tamanho por uns R$ 4,25! Nada mal.
Aliás, não é proibido beber em público como nos EUA e outros tantos países.
Mas se você curte farra e baladas, saiba que Bangkok é conhecida como sendo um daqueles destinos conhecidos pelo rótulo de turismo sexual. Não estou aqui apoiando nem criticando, só relatando hein!!!
É justamente este lado festeiro que rendeu aquele clima retratado em “Se Beber Não Case II” – há inclusive um tour temático. Guardadas as devidas proporções, Bangkok está para a Ásia assim como a Holanda está para a Europa – mas esqueça a maconha, pois a polícia tailandesa é absolutamente rígida a respeito e as leis incrivelmente severas, e as prisões... dê um Google ai!
Bangkok, a qualquer hora, as ruas estão cheias.
A primeira vez que ouvi falar da cena noturna de Bangkok foi um colega de trabalho que me falou a respeito do que ouviu de um taxista. Sabe aquela estória de um amigo do amigo do amigo... Pena que não dá para relatar aqui...
Assim como Amsterdã, Bangkok tem o seu Red Light District na região de Pat Pong 1 e 2. Mas não pensem que por ali andam apenas aqueles que procuram aventuras mais picantes não. Como existem também casas e bares não relacionados ao turismo sexual, a quantidade de turistas de ambos os sexos e todas as idades por ali é grande.
São vários clubes de strip tease e com shows de pompoarismo (não sabe o que é? Lamento, num vou escrever aqui... melhor dar um Google e procurar por conta... ou ler este relato se conseguir chegar até o final).
Ainda que não seja a sua cara, vá! Faz parte da cultura local e não tem nada de escancarado. Como eu disse, é comum ver pessoas de ambos os sexos e idades andando pelas ruas para ver a movimentação local.
Já entrar nos lugares é por sua conta e risco....
É comum as “moças” ficarem na rua tentando pescar seus fregueses. Deixo apenas uma recomendação ouvida deste mesmo amigo... Você pegador, só tome cuidado com o que topa pela frente por lá, pode ser um lady-boy.
Ah! E evite fotos, por razões óbvias!
Ainda que seja folclórico o passeio pela região, não dá para negar que, infelizmente a prostituição aqui mostra a sua mais triste face, com uma quantidade enorme de pessoas infectadas pelo HIV e não raros casos de tráfico de pessoas. Lamentável.
No próximo post, vamos falar um pouco de um dos principais “esportes” praticados em Bangkok.... Compras!!!



           Quer receber mais dicas de viagem e saber saem os próximos posts?
Curta nossa página no Facebook, aqui.
Siga-nos no Twitter @cumbicao.
E no Instagram – Cumbicão.
Booking.com

3 comentários :

  1. Adoreiiiii seu post culinário!!! Tudo anotadinho, obrigado!

    ResponderExcluir
  2. post muito muito muito completo! parabens! esta me ajudando demais a montar meu roteiro pra la!

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, sugestão ou dúvida aqui