27 de maio de 2014

Flight Review - Como é voar na Delta Air Lines de Beijing para Tóquio

Nem sempre as empresas locais são a melhor opção.
Quando você precisa ir de um país para o outro, muito provavelmente você inicia a sua pesquisa por passagem justamente pelas empresas aéreas de ambos os países. Aos olhos dos passageiros, é natural que elas tenham um custo menor nas operações locais, afinal o fluxo de passageiros é grande. Ao menos isto é o que diz a teoria...


Foi com este raciocínio que comecei a nossa busca de uma passagem de Beijing para Tóquio. Olhei na JAL (ah que saudades daquele serviço top!) e fiquei impressionado com os preços literalmente proibitivos. Uma pequena fortuna para pouco mais de 4 horas de voo.

Um pouco decepcionado por não poder matar a saudades de voar de JAL, parti em busca das empresas chinesas. Nada. Tudo relativamente caro.

Esta é aquela hora em que você pensa que todo o planejamento de voos que você fez foi para o espaço.

Ainda não. Buscando no Skyscanner e Kayak, me deparei com uma interessante surpresa. A Delta Air Lines estava oferecendo o voo Beijing-Tóquio com um excelente preço.

Alguns podem estar se perguntando por que estaria uma empresa norte-americana fazendo lá do outro lado do mundo uma rota como esta. E mais, com um preço inferior às empresas locais?

Em termos financeiros não tenho como explicar a fundo como isto é possível. Mas posso imaginar que pela lucratividade da rota macro (Ásia-EUA), eles tenham um ganho de escala que permite preços competitivos localmente.

Isto porque, a pernada Beijing-Tóquio fazia justamente parte do voo Beijing-Seatle.
A revista denota que estamos um pouco longe de casa.
Assim, com uma estratégia muito simples, a Delta conseguiu nos oferecer o menor custo para um concorrido trecho aéreo.

Ficou a lição de sempre procurar num raio bem maior que apenas nas empresas locais e mais uma vez a utilidade dos agregadores Skyscanner e Kayak.

Fundada na década de 20, a Delta é uma das três grandes empresas aéreas norte-americanas. Atualmente conta com uma malha aérea que atende mais de 300 destinos em literalmente todos os continentes. Sempre que vejo estes números me pergunto se um dia teremos algo assim no Brasil.

Dentre as rotas apresentadas de forma interativa no site deles, é possível encontrar voos partindo, por exemplo de São Paulo para New York, Atlanta, Detroit e Santo Domingo; e do Rio de Janeiro para Atlanta e Santo Domingo.
Como diria Lennon, Above us only sky! Ah, como eu gosto disso!
Voando com mais de 500 aeronaves próprias, a frota da Delta é relativamente nova e conta com aeronaves tanto da Boeing quanto da Airbus. No nosso caso, voamos num Boeing 767-300ER que estava em perfeito estado de conservação.

compra do bilhete foi feita diretamente no site da empresa. O site é bastante intuitivo e não tive dificuldade alguma no processo de compra. Aliás, um dos procedimentos de compra mais tranquilos e rápidos que já tive, pois pouquíssimos minutos depois já recebi um e-mail com a confirmação e os bilhetes eletrônicos para serem apresentados no check-in.

Como já mencionamos, o custo foi relativamente competitivo, principalmente se comparado com as empresas asiáticas que estavam oferecendo o mesmo trecho. Acabamos pagando R$ 522.77 por passageiro na econômica – algo bastante razoável para um voo internacional numa rota bastante concorrida.

O programa de milhagem da Delta, Delta Sky Club, está ligado ao SkyTeam, um grupo de empresas que também contempla outras grandes, como por exemplo a dupla AirFrance/KLM e a Korean Air, apenas para citar duas das maiores do grupo.

O trecho entre Beijing-Tóquio é percorrido em pouco mais de 4 horas de voo.
Beijing-Tóquio.
Embora sugiro consultar diretamente o site da empresa para verificação da frequência e os horários atualizados, o nosso voo de Beijing para Tóquio partiu às 8h20 e pousou por volta das 13h35.

franquia de bagagem permitida para despacho no voo em questão foi de até dois volumes pesando no máximo 23kg, o que era mais que suficiente para quem estava carregando uma mala com menos de 20kg. Nunca é demais lembrar: se você for realizar algum outro voo interno ou até regional, deverá considerar os limites impostos pela empresa com menor franquia de bagagem, caso contrário poderá ter que pagar excesso de bagagem em algum trecho.

Para detalhes e consulta à franquia de bagagem de outros trechos, como por exemplo EUA-Brasil-EUA (onde a franquia é significativamente maior por questões óbvias!), sugiro uma consulta ao site oficial.

Para bagagem de mão, apenas um volume por passageiro. Embora eles não informem limite de peso, esta é limitada ao tamanho de 114 cm lineares, ou seja, a somatória de largura, comprimento e altura.

O check-in foi super tranquilo, principalmente se comparado ao do voo anterior feito com a SriLankan que teve alguns pequenos contratempos.
Muita gente para atender e fila zero.
Partindo no horário contratado, a Delta foi bastante pontual ao pousar no aeroporto de Narita.

No quesito serviço de bordo, fiquei bastante impressionado com a gentileza e cordialidade de comissários. Alíás muitas empresas estão tentando trazer um pouco mais de cordialidade e humor para o atendimento à bordo, começando pelo vídeo com as instruções de segurança. Confira ai o da Delta, bem simpático:



Como o voo era diurno, foi servido apenas um café da manhã – simples, mas dentro dos padrões. Com apenas uma refeição, e relativamente simples, não temos como avaliar de forma mais profunda a qualidade das refeições servidas pela empresa.
Breakfast!
Em termos de espaço interno não notei nenhuma diferença significativa para as demais empresas com as quais voei.

Por sinal, dias destes estava lembrando o debate que existia no passado a respeito de qual fabricante (Airbus ou Boeing) oferece mais espaço interno aos passageiros. Atualmente, com a facilidade de personalização do interior das aeronaves, o debate já não faz muito sentido. Já voei num mesmo modelo de aeronave, mas com empresas diferentes, que apresentaram tamanhos absolutamente distintos de assentos.

Como comentei anteriormente, o estado de conservação da aeronave era excelente, principalmente considerando a idade média dos 767-300ER da Delta.
Configuração interna 2-3-2.
Algo que a Delta deixou a desejar foi o não fornecimento de um kit conforto. Ok, o voo era de apenas 4 horas, mas não deixava de ser um voo internacional, pelo que acredito que eles poderiam ter fornecido algo mais além de um travesseiro e um cobertor (por sinal utilíssimo por conta da baixíssima temperatura da cabine).

O sistema de entretenimento a bordo, se comparado a outras empresas que avaliamos, me pareceu bem razoável.
Boas opções de filmes e tudo em português.
À bordo, a Delta oferece internet móvel aos seus passageiros, mas com algumas restrições. O serviço está disponível em pacotes de 24hs, mensais ou anuais. Quanto? US$14 para o diário. Achei caro!
Internet. Cara!
Como o serviço está disponível apenas em território norte-americano, ele acaba sendo mais útil àqueles que fazem voos domésticos.

Bem, mesmo que tenha sido uma breve experiência, fiquei bastante impressionado com a qualidade dos serviços prestados pela Delta, principalmente pela organização e simpatia dos comissários. Futuramente, quem sabe numa ida aos EUA, ou num voo menos usual como este, possamos ter uma experiência mais longa com a empresa.


E você já voou com a Delta? Deixe seu comentário abaixo.

Quer receber mais dicas de viagem e saber quando saem os próximos posts?
Curta nossa página no Facebook, aqui.
Siga-nos no Twitter @cumbicao.
E no Instagram – Cumbicão.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Deixe seu comentário, sugestão ou dúvida aqui