23 de agosto de 2014

Dicas da Tailândia (XI) - Mergulhando em Koh Phi Phi

Estreando em águas internacionais.
Como se não bastassem as belezas naturais que já mostramos nos posts anteriores, Koh Phi Phi revela ainda algumas surpresas para quem estiver disposto à descer alguns metros na água.


De todas as atividades existentes na ilha, a mais comum talvez seja mergulhar.

A coisa é tão boa que o Lonely Planet coloca a região como uma das Top 10 para mergulho. Nada mal!!!

É possível ver grande variedade de espécies da fauna marinha, de peixes palhaço à tubarões de recife, de raias manta à tubarão baleia (dependendo do ano).
Créditos: Moskito Diving.
Créditos: Moskito Diving.
Créditos: Moskito Diving.
Créditos: Moskito Diving.
Ah, este eu queria ter visto! Tubarão beleia, lindo e inofensivo. Eles estão por lá em migração algumas épocas do ano.
Créditos: Moskito Diving e Johanna Franzon.
Como não poderia deixar de aproveitar a oportunidade, assim que fechei a viagem, resolvi me inscrever em um curso de mergulho aqui em São Paulo e fazer o meu “batismo” em Arraial do Cabo.

É verdade que muita gente prefere aproveitar a estadia em Koh Phi Phi e os preços mais em conta para fazer tudo por lá mesmo. Existem muitas escolas de qualidade lá, mas como era absolutamente inexperiente no assunto, achei melhor procurar uma escola aqui no Brasil que fosse bem conceituada para chegar lá preparado e já com o mínimo de experiência.

Devidamente certificado (detalhe importante porque senão você não mergulha lá!), desembarquei na ilha já com algumas indicações, o que é essencial para que você não se perca no mar de operadoras em Ton Sai Bay – literalmente uma ao lado da outra.


Muita gente opta por fazer o curso e obter o certificado lá mesmo.
E a língua não é problema.
Muitas delas são de altíssimo nível, mas olhando bem você encontra uma ou outra que pode não parecer lá muito confiável – e com este tipo de coisa não se brinca! Eu mesmo deixei de mergulhar com uma que tinha dois dive masters brasileiros porque o esquema deles me pareceu um pouco “menos profissional” – sabe aquela coisa de muita farofa e pouco papo sério?

Como já havia recebido uma indicação bacana do Luiz do Boa Viagem, segui direto para Moskito Diving, com quem tinha acertado vários detalhes e sanado algumas dúvidas sobre o mergulho por e-mail, algo que considerei muito útil para ganhar confiança na equipe.
Moskito Diving.
Não me arrependi.

Desde o primeiro contato notei o profissionalismo e a atenção de toda a equipe, formada em sua maioria por europeus. Extremamente profissionais, eles te colocam num mergulho adequado ao seu grau de certificação para que você se sinta confortável e possa curtir.

No dia marcado, saímos bem cedo da loja da Moskito Diving situada em Ton Sai Bay (sugiro um café da manhã leve no hotel) e fomos para o píer.
Bem cedinho, pelas ruas de Koh Phi Phi, só mergulhadores e vira-latas.

Logo de cara notei algo que agradou bastante, o grupo era bem pequeno. Apenas eu, um americano, e duas famílias de ingleses com três crianças cada. Grupos menores significam maior atenção da equipe e um atendimento mais próximo. Excelente.

A embarcação, própria (algo muito importante lá) era muito bem conservada e até que grande para a quantidade de pessoas à bordo. Nada de aperto na hora de preparar o equipamento ou ficar trombando cilindro.


Créditos: Moskito Diving.
Nosso primeiro ponto de mergulho foi Bida Nok. Walter, o simpático e experiente dive master com quem fiz dupla me disse que ali a vida marinha seria bastante abundante, tanto que toda hora ele apontava algo interessante ao redor.

A promessa dele materializou-se ao cair na água. Vimos de tudo um pouco: corais variados, peixes coloridos, moreias, tartarugas e até um belo cardume de pequenos peixes amarelos que passou um bom tempo ao nosso redor.
Na superfície, o lugar já era lindo.
Reparem na transparência da água. Dá para ver o fundo.
É uma pena que as minhas fotos e filmagem não façam jus àquilo que vi, graças à minha antiga GoPro (compre uma GoPro3 com filtro vermelho para mergulho!). Tanto que as fotos aqui publicadas foram gentilmente cedidas pelo pessoal da Moskito Diving. Thanks!
O primeiro encontro com um tubarão cara-a-cara a gente não esquece.
Créditos: Moskito Diving.
Créditos: Moskito Diving. 
Tartarugas são comuns também.
Créditos: Moskito Diving.
Cardumes destes peixes amarelos são comuns, no nosso vídeo também dá para ver um enorme.
Créditos: Moskito Diving.
Mesmo assim, vai ai um vídeo:

Subida para intervalo de superfície (obrigatório!) e um lanche com frutas. Aqui um detalhe importante, se você enjoa (o que normalmente não é o meu caso), não esqueça de tomar um remedinho para tanto. O Mané aqui esqueceu disto e fez a festa dos peixinhos à 18m. Vai por mim, não é nada agradável e se não fosse o aprendizado no curso teria me dado mal!
Pausa para lanche. Para quem não sabe, mergulhar dá uma fome incrível.
E curtir o visual de uma das entradas de Koh Phi Phi Le. 
Reparem como a entrada da Maya Bay que havíamos visitado no dia anterior estava vazia. Prova de que quanto mais cedo melhor!
Já no segundo ponto, Palonk North, a grande atração eram os blacktip reef sharks, uma espécie de tubarão bastante comum na região. Embora tenha um sentimento de admiração e ao mesmo tempo pavor pelos tubarões, esta espécie é praticamente inofensiva e sua tendência é de evitar o contato com humanos. Tanto que os únicos que vi, passaram a uma certa distância da gente.

Voltei para a ilha maravilhado com a experiência. Recomendo e muito.
Missão cumprida.
Dois mergulhos custam a partir de 2.500 baht (R$ 168) com equipamento incluso. Sugiro apenas que você leve (ou compre lá) a sua máscara e snorkel, porque além de serem itens mais pessoais, poderão ser utilizados em outras atividades na ilha, como snorkel.

Com águas quentes, a roupa de neoprene é dispensável. Usei apenas uma daquelas camisetas de malha UV para maior conforto e proteção contra o sol.

Os principais pontos de mergulho são: Anemone Reef (entre Koh Phi Phi e Phuket); Garang Heng (a leste de Koh Phi Phi Le), com uma grande quantidade de inofensivos leopard sharks); Hin Daeng and Hin Muang; Hin Dot; Hin Pae (um dos lugares mais rasos - 10-15 m também é uma boa opção para snorkel pois tem excelente variedade de peixes e corais); King Cruiser Wreck (um navio afundado em 1997 depois de colidir com o Anemone Reef); Ko Bida Nai (nos arredores de Bida Nok); Ko Bida Nok (com tubarões e tartarugas marinhas); Shark Point ou Hin Bida; Shark Point Phuket; Wang Long (conhecido por sua caverna submersa); Loh Samah Bay (mais usada para mergulhos noturnos); Maya Bay na sua entrada; e Palong Bay.
Alguns dos pontos de mergulho na região.
Créditos: Dive The World.
Em Hin Bida (Phi Phi Sub Shark Point) a profundidade é de 15-30m; 18-22m em Ko Bida Nok; 17-26m em Anemone Reef; 19-24m em Hin Musang (Phuket Shark Point); e 5-18m en Phi Phi Leh.

Muitos podem ter uma percepção de que mergulho é algo perigoso. Depois de fazer o curso ficou claro que seguidas as regras de segurança e utilizando-se de empresas confiáveis, é uma atividade bastante segura e super bacana.

Tanto que neste mergulho, toda a família de ingleses, incluindo duas crianças de 12 anos foram para a água com cilindro e tudo! Todos devidamente certificados é claro.
Toda a garotada ai foi parar na água.
Um detalhe importante é que, por questões de segurança, você não faça nenhum voo no período de 12 horas após um mergulho único e 18 para mergulhos seguidos (recomendação da Divers Alert Network - DAN), dado o alto risco de Doença Descompressiva. Já o contrário, voar e depois mergulhar não tem problema algum. Então programe-se com atenção.

Claro que para dar suporte a todos estes mergulhadores, existe uma enorme quantidade de lojas especializadas. Só para que vocês possam ter uma ideia de preços para pesquisas, cito aqui algumas lojas em Phuket: All4 Diving e Dive Supply (esta com filiais em vários lugares da Tailândia).

Para quem não quiser mergulhar, mas quiser um contato mais próximo com o mar, sugiro aproveitar as águas cristalinas de Koh Phi Phi para praticar snorkel, seja nas praias da ilha, seja num passeio próprio para isto.

Algo que vocês notarão é que tanto para passeios quanto para mergulhos, os preços são meio que tabelados. O máximo que você pode conseguir é um desconto se marcar mais de um passeio.

Já com os barqueiros independentes ou privados, ai sim, pechinchar é obrigatório.

Finalizada a série sobre a Tailândia, é hora de seguir para o nosso próximo destino na Ásia, Dubai.


Quer receber mais dicas de viagem e saber quando saem os próximos posts?
Curta nossa página no Facebook, aqui.
Siga-nos no Twitter @cumbicao.
E no Instagram – Cumbicão.

Booking.com

10 comentários :

  1. Recentemente, fiz mergulho na República Dominicana e adorei a experiência! Pretendo fazer o mesmo na Tailândia e vou guardar esse post.
    Ótima dica :)
    abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado.
      E como é na Rep. Dominicana?
      Já fiz também Bahamas, mas ainda preciso postar.

      Excluir
  2. Valeu pelas dicas!
    Eu estava planejando mergulhar somente em Koh Tao. Mas agora animei a mergulha em Phi Phi tb :)

    ResponderExcluir
  3. Diogo, ótimo post! Estou planejando uma viagem para Phi Phi e vou aproveitar muito suas dicas.
    Sem querer abusar, posso fazer duas perguntas?
    1. Que horas aproximadamente vocês voltavam dos mergulhos? Estou pensando se preciso reservar o dia todo para mergulhar ou se dá para mergulhar de manhã e pegar uma praia à tarde.
    2. A operadora de lá leva mergulhadores básicos para mergulhos profundos (abaixo de 18m), ou exigem certificação avançada?
    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fábio, obrigado.
      Peguei um mergulho pela manhã, saindo bem cedo. Acho que era menos de 13hs quando voltamos ao pier na ilha. Mas existem vários programas diferentes, inclusive all day com 4 mergulhos.
      Tenho certificação básica e cheguei um pouco abaixo de 18m, mas nada que comprometa a segurança. Eles montam os mergulhos e os grupos de acordo com a certificação dos participantes. Agora se o mergulho for inteiro abaixo dos 18m ou muito abaixo disso, ai sim eles exigirão.
      Boa Viagem!!!

      Excluir
    2. Legal... Muito obrigado pelas respostas!

      Excluir
  4. Oi Diogo, vc sabe por volta de qt ficaria pra fazer o curso por lá?
    Obrigada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, mande um e-mail para Moskito, eles vão te passar uma cotação. Mas garanto que é mais em conta que no Brasil.
      Abraço.

      Excluir
  5. Opa Diogo, saberias se dá pra fazer o Batismo junto com quem já tem o curso básico?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Saulo,
      Normalmente os operadores fazem isto em uma mesma saída. O que eles fazem é a separação das turmas no barco, quem vai fazer batismo fica com um instrutor dedicado e o restante vai para a água com um dive-master e duplas.
      Na dúvida, confirme com a Moskito diretamente.
      Abraço

      Excluir

Deixe seu comentário, sugestão ou dúvida aqui