1 de abril de 2015

Dicas dos EUA (III): Yosemite. Dá para fazer um bate-e-volta?

Yosemite, vale a escapada.
Como se não bastasse São Francisco ter uma quantidade de atrações suficientes para te manter qualquer viajante entretido por um bom tempo, quem tiver um pouco mais de disposição e tempo poderá curtir uma série de opções de bate-e-volta. De vinícolas com vinhos de qualidade, passando por universidades famosas ou até uma esticada até o campus do Google, tem muito para fazer nos arredores de São Francisco.


Dentro do tempo que tínhamos disponível, optamos por conhecer ao menos as principais atrações de um dos parques mais famosos dos EUA, o Yosemite - a pronuncia correta é algo como yo-sem-it-ee.

Como assim um bate-e-volta até lá? Não é puxado? Sim, se você tiver que dirigir é puxado sim, afinal são 3h30 (170milhas) de estrada.  Mas e se você não precisar dirigir até lá???

Sei também que a melhor coisa seria passar mais tempo lá, talvez hospedar-se nos arredores ou até mesmo dentro do parque.
Tem muita gente que vai acampar lá.
Mas se quiser também dá para ficar hospedado num dos hotéis. O parque tem uma excelente infraestrutura.
Mas para quem já está com o itinerário apertado e só tem aquela oportunidade de conhecer o parque, um bate-e-volta assim pode compensar. Às vezes mais vale uma rápida visita do que o arrependimento de não ter ido! Vai de cada um.

Neste cenário, a primeira dica é não vá sozinho. Imagine ter que dirigir 7 horas (claro, 3h30 em cada sentido!) e ainda ter que chegar lá disposto para passear. Não dá! Ai sim um bate-e-volta fica muito prejudicado.

Esqueça o carro e contrate uma empresa para te levar até lá sem stress e de quebra você ainda descansa durante o caminho.

Olha daqui, procura dali… E achei a Extranomical Tours, que utilizando-se de micro ônibus oferece por US$ 145 um passeio de um dia inteiro até o parque. As saídas são pela manhã e o retorno apenas no começo da noite – o chato é que como eles passam de hotel em hotel, você é obrigado a fazer um “tour” meio chatinho (mas faz parte).

Só fique atento porque existem duas opções de passeio. A que escolhemos é feita em micro-ônibus (Total Yosemite Experience & Giant Sequoias One-Day Tour) e te permite passar umas 6 horas no parque. A outra é feita num ônibus propriamente dita (Yosemite One-Day Tour by Bus) e disponibiliza apenas 3/4 horas no parque (ai não recomendo!).
O micro-ônibus pode não ter o mesmo conforto e espaço que o ônibus, mas te permite passar mais tempo no parque.
Durante todo o trajeto, o motorista, que também serve de guia vai dando as informações mais importantes a respeito do parque e muitas curiosidades. Excelente!

Na ida e na volta, eles fazem uma pausa num centro comercial para você comprar algo para comer durante o percurso ou até mesmo utilizar o banheiro. Só recomendo que vocês fujam do Taco Bell recomendado por eles... O supermercado em frente tem coisas muito mais gostosas e saudáveis!

Mesmo sendo um passeio contratado e cheio de horários - coisa que eu normalmente não gosto - é possível curtir um tempo livre no parque em alguns dos pontos mais interessantes e deu para conhecer bem o Yosemite.

Mas vamos ao parque.

A maior parte dos visitantes busca o Yosemite Valley e em especial a Yosemite Village, onde está concentrada a infra estrutura do parque, como centro de visitantes, hotéis, restaurantes e etc.

Com uma área total de 3.081 km², o Yosemite recebe nada menos que 3 milhões de visitantes por ano. Não é à toa que trata-se de um Património da Humanidade desde 1984.

A área era ocupada pelos Ahwahneechees, que viveram por ali até que em 1833, os exploradores de origem europeia passaram a visitar a região. Claro que, infelizmente, este contato não foi muito proveitoso para os nativos, que foram expulsos do local em 1851 após a Batalha da Mariposa. O interesse dos exploradores era evidente, o ouro que mais tarde justificou o que ficou conhecido como a Corrida do Ouro.

Felizmente o presidente Abraham Lincoln assinou um tratado que levou à proteção da área com a criação do parque em 1890.

Uma das principais atrações é o Yosemite Valley, com 7 milhas de extensão e seus enormes desfiladeiros de granito e cascatas. Os paredões se formaram uns dez milhões de anos, quando a Serra Nevada sofreu uma elevação considerável.
Yosemite Valley.

Ao fundo o El Capitan.
O difícil é encontrar o mirante assim vazio.
E é justamente a partir do vale que se tem a vista das duas mais importantes formações rochosas do parque. O penhasco de granito chamado El Capitan, com 2.307m; e o Half Dome, com “apenas” 2.695m.
Half Dome.
Recentemente, a mídia noticiou que dois escaladores haviam conseguido pela primeira vez escalar a face mais difícil do El Capitan. O mérito está no fato de que ele tem uma superfície muito lisa e o grau de inclinação é quase o de uma parede mesmo.
O paredão do El Capitan impressiona.
O parque tem uma dúzia de quedas d’ água, e dentre as maiores, podemos citar Bridalveil Fall (188m); Lehamite Falls (360 metros); Ribbon Falls (491 metros, a maior queda vertical); Royal Arch Cascade (381 metros); Sentinel Fall (585 metros); Snow Creek Falls (652 metros).
Bridalveil Fall.
A mais interessante delas é a Yosemite Falls (739 metros, a maior da América do Norte e terceira maior do mundo) – o melhor lugar para apreciá-la é a partir de Sentinel Meadow e da Yosemite Chapel.
Yosemite falls.
A queda tem duas partes, confira ai:
Notem que parte da água cai e já congela, formando blocos de neve no paredão.




É possível também apreciar glaciares no Yosemite, como os Glaciares Merced e Lyell (o maior da região). Quem tiver tempo pode ir ao Glacier Point, o melhor lugar para apreciar a região do Yosemite Valley. Para chegar lá, ou se caminha 4 milhas em uma trilha ou pega-se o chamado Glacier Point Hikers’ Bus.

Cortanto o Yosemite, temos os rios Tuolumne e Mercy que têm importante papel nos vales ajudando no escoamento da neve do topo das montanhas e na manutenção do ecossistema do parque.
Mercy.
Dependendo de como você pega a luz, este é o efeito nas águas cristalinas.
Claro que outro destaque é a fauna e flora local. Mais de 40 espécies animais habitam a região, desde morcegos e cervos a ursos e felinos. E sim, os ursos são figuras presentes. Tanto que todas as lixeiras são “à prova de ursos” e existe uma recomendação expressa para não deixar nada fora delas – para o bem dos ursos, limpeza do parque e sua segurança, afinal eles são belos, mas perigosos.
Lixeiras à prova de Zé Colmeia.
Infelizmente não vimos nenhum urso, uma pena. Será que eles só aparecem durante a noite ou estariam hibernando???

De tudo que o parque oferece de principal, a única coisa que não tivemos condições de ver neste passeio com a Extranomical Tours foi a Mariposa Grove, uma floresta a 36 milhas ao sul do Yosemite Valley, perto da entrada do parque.

A quantidade de neve acumulada no vale (disseram que acima da altura dos joelhos) estava impossibilitando a visita ao local para apreciar as enormes sequoias que são praticamente um símbolo do parque.

Aliás, durante o inverno, o clima lá não é fácil não, as temperaturas podem chegar bem perto dos 0º e até ficarem abaixo disto. E a depender das nevascas (sim, possíveis na região), as estradas de acesso podem fechar. Recomendo uma visita ao site oficial para conferir a situação na época da sua viagem.
Quando você nota que a água escorreu e congelou no meio do caminho é que você realiza o quanto frio está!
Por outro lado, no verão, o parque fica lotado e algumas quedas d’ água ficam menos volumosas por conta da falta de chuvas (mais intensas no inverno). Assim, a melhor época para visitar o parque é a primavera.

Para quem desejar ir por conta, o parque tem quatro entradas principais, ao sul pela Hwy 41; pelo Arch Rock (Hwy 140); via Big Oak Flat (Hwy 120 W) e pela Tioga Pass (Hwy 120 E). destas, a Hwy 120 cruza o parque e a Tioga Rd, liga o Yosemite Valley à Eastern Sierra.
Procure saber antes se as estradas estão liberadas.
O endereço oficial é Northside Dr, Yosemite National Park, CA 95389, e o parque está aberto 24 horas o ano todo. Veja apenas no site oficial eventuais restrições por conta de condições climáticas no inverno (dá para ligar para 800-427-7623 e ter a informação atualizada). A entrada custa US$ 30 e é cobrada por carro, como em outros parques estaduais dos EUA, sendo válida para entradas ilimitadas por 7 dias.

No próximo post da série Califórnia, vamos fazer uma das mais belas viagens de carro dos EUA, o caminho pela Pacific Coast Highway 1 entre São Francisco e Los Angeles.


Quer receber mais dicas de viagem e saber quando saem os próximos posts?
Curta nossa página no Facebook, aqui.
Siga-nos no Twitter @cumbicao.
E no Instagram – Cumbicão.

Booking.com

6 comentários :

  1. Boa noite
    Muito boas as informações.
    Estou pensando em fazer o Total Yosemite Experience com a Extranomical.
    Fiquei com algumas dúvidas, por favor se puder ajudar.
    Após chegar ao parque, o guia permanece conosco ou ficamos por conta própria?
    Devido ao pouco tempo, é necessário o guia ou conseguimos nos virar?
    Vc contratou em SF ou pela web?
    Obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você terá tanto tempo sem o guia quanto com ele.

      Excluir
  2. Vc contratou em SF ou antecipadamente pela web?
    Obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, fiz antecipadamente pelo site deles. Abraço

      Excluir
  3. ola,adorei o post. minha duvida: quais as horas de saida e chegada em yosemite /san francisco(na ida e na volta).obrigado!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rafael, obrigado.
      Como o horário muda de tempos em tempos e conforme a estação do ano, sugiro consultar diretamente o site da empresa. Abraço

      Excluir

Deixe seu comentário, sugestão ou dúvida aqui