20 de setembro de 2015

Dicas da Suíça (XIV) - Zurique: histórica e cool ao mesmo tempo.

Zurique.
Até mesmo por possuir o principal aeroporto internacional do país, Zurique é a porta de entrada para muitos dos turistas que visitam o país. O primeiro contato com a Suíça.


Mesmo estando longe de poder sintetizar a diversidade cultural e as belíssimas paisagens suíças, a cosmopolita Zurique é uma incrível introdução ao país.

Com uma população de pouco menos de 400 mil habitantes, a maior e talvez mais conhecida cidade suíça, está situada entre a porção central e norte do território suíço. Por isso mesmo, traz forte influência alemã; a começar pelo idioma falado nas ruas.

Conhecida por ser o mais importante centro financeiro do país, Zurique diferencia-se das demais cidades suíças por ser a mais cosmopolita delas.
E a cidade é uma delícia, qualquer gramado vira lugar para piquenique.
Um olhar mais atento revela uma cidade com alguns contrastes interessantes. Se de um lado vocês encontram igrejas centenárias, de outro está o bairro cool de Züri-West, com seus bares, lojas com roupas descoladas e galerias de arte. Se durante a maior parte do ano as suas ruas são absolutamente tranquilas (lembrando que se abrirmos o dicionário e procurarmos bucólico, vai encontrar uma foto da Suíça! Kkkk), em agosto elas fritam com uma das mais tradicionais festas de música eletrônica do mundo, a Street Parade – chegamos dias depois.

As origens da cidade datam de aproximadamente 400 a.C., quando ela era apenas um povoado de tribos germânicas. No século XVI, já como parte da Confederação Suíça, a cidade teve um relevante papel durante a Reforma Protestante com Ulrich Zwingli (a maioria da população local é protestante), e passou a ser reconhecida como um importante centro comercial e bancário da Europa.

Em Zurique as atrações estão numa distância que permite caminhar de uma para a outra e a cidade é perfeita para ser explorada a pé, mas quem precisar de transporte público pode contar com os trens suburbanos (S-Bahn) e os trams (bondes) da ZVV, empresa que opera o sistema. Como em outros lugares, os tíquetes precisam ser comprados antes.
A melhor opção são os bondes que cortam toda a cidade.
O sistema é super pontual e acessível.
Aqui, mais uma vez, quem tem o Swiss Pass viaja gratuitamente pelo sistema público de transporte.

O coração central do eficiente sistema de transporte da cidade é a estação central, ou Zürich Hauptbahnhof (Zürich HB), por onde passam entre 350 mil e 500 mil passageiros por dia, vindos de tudo quanto é canto da Europa. Pode parecer um número absurdo ou impossível se considerarmos a população de Zurique (400 mil), mas tenha em mente que a população da região metropolitana que circunda a cidade é de 1,8 milhões de pessoas e muitos passageiros que viajam entre diferentes cidades fazem conexão ali.

Aliás, uma dica importante é que na estação, além de lanchonetes e alguns restaurantes, vocês encontrarão um pequeno shopping, inclusive com supermercado. E o melhor, ele abre aos domingos.
Zürich HB.
Lá tem trem para qualquer lugar da Suíça e muitos destinos europeus.
O sistema de tarifas funciona num esquema de zonas. Viagens curtas utilizam o Kurzstrecke ticket que custa CHF 2,60 e dá direito a 5 paradas; o a single ticket abrange uma área maior da cidade e é válido por uma hora (CHF 4,10); e por fim o passe diário que custa CHF 8,20.

O site oficial de turismo da Suíça é bastante completo e traz uma série de informações interessantes. E o principal posto de informação turística do Zürich Tourism está na Hauptbahnhof, e funciona diariamente das 8h00 às 20h30. Algo fantástico e que eu recomendo é solicitar o envio de mapas e outros materiais impressos. Sempre achei uma mão na roda chegar na cidade com tudo já marcado. Detalhe: é gratuito! Isto que eu chamo de incentivar o turismo! #CoisasDeSuica !!!

Onde ficar em Zurique? Nós optamos pelo Montana, um hotel super bacana cujo review completo vocês conferem aqui.

Se você olhar o layout da cidade, notará que a maior parte das atrações está às margens do Rio Limmat, estendendo-se até o Lago Zurique (Zürichsee). Ou seja, tudo fica numa distância que pode ser facilmente percorrida a pé pelas tranquilas ruas do centro.


Considerada uma das ruas mais caras do mundo, a Bahnhofstrasse seria a 5ª Avenida da Suíça. Muitas lojas de grife e uma quantidade ainda maior de lojas de relógios fazem desta rua uma das mais exclusivas e charmosas do mundo. Fala ai uma outra rua que tem até app de celular próprio com as atrações e lojas???
Entre uma loja de grife e outra,
Um excelente lugar para passear.

Na Bahnhofstrasse estão as principais lojas de departamentos de Zurique, a Jelmoli (destaque para o maravilhoso supermercado no subsolo); a Globus; e a Manor.
Jelmoli, uma das grandes lojas de departamento de Zurique.
Mas voltando à realidade dos nossos bolsos (ou ao menos do meu), uma loja interessante que gostaria de mencionar é a Heimatwerk (Uraniastrasse 1) para souvenires de alta qualidade. Ali também tem uma unidade do Coop City, uma das principais redes de mercado da Suíça.

Para artigos esportivos, tem a OchsnerSport e a Och Sport. Aliás para procurar por camiseta da seleção suíça, é “trikots nationalmannschaften”.

Uma das lojas mais interessantes na minha opinião é a Franz Carl Weber (Bahnhofstrasse 62), uma grande loja de brinquedos no melhor estilo da finada FAOSCHWARTZ.
Franz Carl Weber.
Embora o foco da Beyer seja fabricar relógios e jóias, eles têm um pequeno museu que conta um pouco da história dos relógios, desde os tempos medievais. O Beyer Museum fica no n.º 31 da Bahnhofstrasse e abre segunda à sexta das 14h00 às 18h00 – ingresso CHF 8.

Se em meio a tantas atrações você estiver procurando por um lugar agradável para um café e um doce legitimamente made in Switzerland, vá ao Café Sprüngli, o café mais tradicional da cidade desde 1836. Destaque para as trufas de chocolate e bolos trufados e de laranja. Não é barato não, mas provavelmente você mais encontrar um chocolate mais gostoso que este. Fica na Bahnhofstrasse 21 e abre de segunda à sexta das 7h30 às 17h30, e sábados das 8h00 às 15h00.
O melhor chocolate que já comi!!!
Reparem no capricho dos docinhos.
Mas as trufas é que são mesmo o carro chefe.
As trufas do dia são sempre mais em conta.
Fraumünster. Considerada a catedral de Zurique, esta igreja do século XIII me rendeu uma curiosa surpresa. Quando da minha primeira viagem à Suíça em 2001, estava andando pelo lado de fora da catedral quando percebi que alguns dos paralelepípedos do calçamento tinham nomes gravados. Por curiosidade, olhei um, dois, e no terceiro notei um nome familiar. Roland Krähenbühl. Opa este nome eu conheço, é o sobrenome da Sra. Cumbicona!
Fraumünster.
E sua linda torre.
Depois de visitar o interior da igreja, fui perguntar a uma senhora que atendia os fiéis qual o significado dos nomes nas pedras. Ela me disse que aquilo foi uma forma da igreja agradecer àqueles que contribuíram para a construção e reformas na igreja. De quebra, ainda tomei uma lição sobre alguns dos Krähenbühl que ainda vivem em Zurique. Nesta última visita infelizmente não encontrei as pedras, eles reformaram os arredores...

O interior da igreja em estilo gótico tem como principal destaque os mosaicos de Marc Chagall. Lindos!

Ela fica na Münsterhof e abre diariamente das 10h00 às 18h00 no verão e até às 16h00 no inverno.

Ali também bem próxima à Fraumünster está a St Peterskirche. Fundada no século XIII e remodelada no século XVIII, sua torre era utilizada até o começo do século XX como um posto para a observação de incêndios. O seu relógio tem o maior mostrador da Europa (entre as igrejas, é claro) são quase 9m de diâmetro.
De longe se vê a torre e seu enorme relógio.
St. Peterskirche.
Lá dentro ela estava sendo preparada para um recital.
Fica na St Peterhofstatt e abre de segunda à sexta das 8h00 às 18h00, sábados até às 16h00 e domingo das 11h00 às 17h00.

Uma das áreas mais interessantes da cidade é o bairro de Niederdorf. Com ruas estreitas e construções mais antigas, esta região tem muitas lojas e restaurantes. Dentre elas, a rua mais típica é a Augustinerstrasse, repleta de casas antigas.
As vielas de Niederdorf.





Outro lugar interessante é a praça Lindenhof que fica no topo de uma colina, de onde se tem belas vistas da cidade.
A vista a partir da praça Lindenhof.
Cercado pelas colinas Albis e Zimmerberg e ao pela cadeia de montanhas "Pfannenstiel", o Lago Zurique é a principal atração natural da cidade.

Um dos passeios mais populares da cidade são os cruzeiros pelo lago. Com várias opções de itinerário (longo, médio ou curto), o passeio custa a partir de CHF 4,20. Confira aqui todas as opções e preços.

Ainda que Zurique seja uma daquelas cidades que no inverno deve ficar muito charmosa coberta de neve, especialmente seus típicos telhados, é no verão que o povo local realmente se diverte nas ruas.
Lago Zurique.



Nesta época, é comum as pessoas irem para as ruas, parques e principalmente para as margens do lago para curtir o verão que dura até o meio de Setembro. Quando querem nadar no lago, os moradores locais vão aos Badis que são clubes que oferecem além do acesso ao lago, toda uma infraestrutura. Um deles é o Seebad Enge (Mythenquai 9) onde existe também um sauna que opera no inverno, e portanto pode ser aproveitado fora do verão. Outras opções são o Seebad Utoquai (Utoquai 49) e o Letten (Lettensteg 10).

O interessante é que mesmo tendo um belíssimo lago para curtir o verão, os locais costumam também montar uma praia artificial durante o verão, a City Beach. O evento também acontece em outras cidades, como Berna e Basel.

É ali, às margens do lago, mais precisamente em Kilchberg fica a famosa fábrica de chocolate Lindt & Sprüngli.

Zurique tem excelentes museus, como por exemplo o Kunsthaus que conta com a mais importante coleção de arte da cidade, e uma das mais importantes do país, com peças de Monet; Van Gogh; e Rodin (Heimplatz 1, de quarta à sexta das 10h00 às 20h00; terça, sábados e domingos até às 18h00).

Mas o museu mais famoso da cidade é o Schweizerisches Landesmuseum (Swiss National Museum). Lá vocês encontrarão uma excelente mostra a respeito da história da Suíça. Fica na Museumstrasse 2 e abre de terça à domingo das 10h00 às 15h00. Acesso gratuito com o Swiss Pass.
Swiss National Museum.
Uma área da cidade que eu não conhecia e que me surpreendeu foi a região de Züri-West. Originalmente esto era um pedaço absolutamente industrial, e consequentemente, bem menos belo que o restante da cidade.
Züri-West, arte de rua por todos os lados.



Hoje, ainda que seus prédios ainda tenham sim um ar nitidamente fabril, a região foi completamente reformulada e é tida como sendo a área mais descolada da cidade. Com muitos bares, restaurantes e lojas de roupas e artigos de decoração, é a região que melhor reflete este lado cool de Zurique. A principal rua da região é a Langstrasse.

Mesmo que você não vá comprar nada, sugiro uma visita à loja da Freitag, uma marca super conhecida lá por fazer bolsas e acessórios a partir de materiais recicláveis. Só a loja deles já vale a visita, pois foi construída a partir de uma pilha de containers! E não é uma pilha qualquer; são 9 containers formando uma verdadeira torre. Fica na Geroldstrasse 17, e abre diariamente (salvo domingos) das 10h00 às 18h00.
Freitag
Mas não pense que por ser material reciclado é barato não...
Mas o que mais gostamos na região foi o Im Viadukt, um pequeno shopping que fica num viaduto que além de lojinhas super bacanas de roupas e artigos de decoração, tem restaurantes e um mercadão que vende queijos e outros produtos locais.
De um lado do viaduto, restaurantes e um pequeno parque.
E do outro muitas lojas com artigos de decoração e roupas.
Tem muita coisa legal.
E irreverente!
Considero um dos passeios imperdíveis para quem quiser ver uma Zurique nada histórica. Preciso dizer que é a área mais recomendada para quem quer curtir a noite local???

Passando para o outro lado do Rio Limmat, sugiro um passeio pela Limmatquai, uma agradável rua que margeia o rio.
Limmatquai.
A Rathaus, ou prefeitura local.
Excelente passeio para apreciar a arquitetura local e o Rio Limmat, na Limmatquai concentram-se lojas um pouco menos caras que as da Bahnhofstrasse e alguns cafés. Dali se vê a Rathaus (prefeitura) e acessa-se a Grossmünster.

Mas para souvenires, as lojas mais conhecidas são a Teddy’s Souvenir na Limmatquai 34 (no verão de segunda à sexta das 8h30 às 20h00, e finais de semana até as 16h30 nos sábados e 17h00 nos domingos).

Situada praticamente diante da Fraumünster, mas do outro lado do Limmat, a Grossmünster é outra importante igreja de Zurique. Construída no século IX, é um outro importante marco da cidade. Ela fica na Grossmünsterplatz e abre diariamente das 10h00 às 18h00 no verão e no inverno até as 17h00.
Grossmünster.
Partindo da Grossmünster, sugiro um passeio pela Münstergasse, um calçadão cheio de lojas e restaurantes em meio a belos prédios históricos que vai da igreja até os arredores do Rio Limmat e da estação central de trem.
Münstergasse.
Hischen-Platz.
Esta é só para quem gosta muito, mas muito mesmo de futebol. Zurique foi o local escolhido pela Fédération Internationale de Football Association, mais conhecida como FIFA para hospedar a sua sede. Atualmente eles estão situados num moderno edifício desenhado por Tilla Theus e inaugurado em 2007. Até 2006, a sede era em Paris.

Infelizmente a Fifa perdeu a oportunidade de fazer um museu do futebol ou algo mais interessante. Lá eles se limitam a colocar no hall de entrada uma réplica das taças. E só! Fica na Fifastrasse 20. Para chegar tram 6 ou ônibus 39 até a parada "ZOO".

No próximo post, vamos mostrar um pouco do aeroporto de Zurique e como ir dele até a cidade (e vice-versa)!
Quer receber mais dicas de viagem e saber quando saem os próximos posts?
Curta nossa página no Facebook, aqui.
Siga-nos no Twitter @cumbicao.
E no Instagram – Cumbicão.
Booking.com

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Deixe seu comentário, sugestão ou dúvida aqui