26 de fevereiro de 2016

Dicas do Havaí: Aprendendo a surfar no Havaí.

Aula de surf na Hans Hedemann.
Ok, sejamos mais realistas. O título deste post deveria ser mais modesto, algo como: “tendo aulas de surfe no Havaí”; ou simplesmente “ficando em pé numa prancha”. Digo isto porque entre aprender a surfar de fato e ter aulas, a distância é enorme. Se fosse pela dedicação e atenção dos instrutores eu poderia sair dali e ir direto para Pipeline ou Jaws, já se depender da minha habilidade, acho que ficaria numa piscina mesmo, e daquelas sem ondas... Rssss.

Sair da aula pegando altas ondas assim? Só com muita prática!
Eu já havia considerado ter algumas aulas de surfe por aqui anos atrás, mas o projeto foi literalmente agua abaixo, resolvi ir mergulhar. Mas ao marcar a viagem para o Havaí, não pude recusar a oportunidade única de ter umas aulas de surfe no point mais famoso para o esporte.

Numa simples caminhada pelas praias mais agitadas do Havaí vocês encontrarão vários anúncios de empresas que possibilitam aos turistas terem seus dias de Gabriel Medina ou Mineirinho nas águas havaianas.

Pesquisei bastante a respeito das escolas que oferecem desde aulas para leigos como eu até cursos mais avançados para os já iniciados e optei por uma das empresas mais conceituadas, a Hans Hedemann Surf, cuja base de operações fica na praia de Waikiki.

Marcado o dia e horário (normalmente são 3 turmas ao dia), me apresentei na sede deles que fica no lobby Park Shore Waikiki Hotel. Preenchi o formulário de responsabilidade (embora mínimo, surfar as ondas pequenas de Waikiki tem sim seus riscos) e forneci alguns dados pessoais como peso e etc (porque a prancha é designada conforme suas características).
Primeiro assistimos um vídeo com instruções e uma conversa com os professores.
Para os iniciantes, as pranchas maiores são melhores por conta da estabilidade.
Eles fornecem a prancha e um tênis especial para proteger seus pés dos corais.

Turma completa, eles colocam todos para assistir a um vídeo com instruções de segurança essenciais. A primeira delas é não cruzar a linha de surfe alheia (óbvia, mas precisa mesmo falar porque na empolgação as pessoas esquecem desta regra). E a segunda e que eu nem imaginava era sempre cair na água como quem dá uma daquelas barrigadas - sim, é pouco elegante, mas garante que você não afundará e baterá no coral raso (isto é sério!).

Depois eles mostram as técnicas de remada, ou seja, como você nada do raso até o ponto ideal para pegar a onda.

Pode parecer banal, mas existe uma série de pequenas dicas que fazem toda a diferença na hora remar, desde a posição que você deita na prancha (não muito para frente nem para trás), passando por como você passa pelas ondas e posicionamento do pescoço para poder ver para onde vai; até qual a forma mais eficiente de dar as braçadas.

Depois disto vamos todos para a praia (só atravessar a rua!) para iniciar a aula prática mesmo.

Começamos com alguns exercícios na prancha ainda na areia. Ali eles ensinam a regra de ouro: como subir na prancha, afinal é para isto que você está lá!
Rema, rema;
Dá uma arqueada;
Apoia um dos pés e começa a levantar;
Quase lá;
E pronto, você está surfando. Simples, né? Só na areia!!! Rssss.
Na areia, tudo parece muito simples. Deite no meio da prancha, e com a prancha virada para a areia, passe a remar vigorosamente para pegar velocidade e o timing certo da onda. Ao perceber que a onda está te levando, apoie com as mãos na prancha, deslize um dos pés para frente, mantendo o pé de apoio atrás e levante mantendo os joelhos levemente flexionados para ter um centro de gravidade baixo e portanto melhor equilíbrio. E pronto! Você está surfando!!!

Parece simples né? #SNQ Na hora H as coisas não são tão simples assim.
Faz pose de surfista.
E vai encarar as ondas para iniciantes de Waikiki - no inverno, porque no verão elas são maiores.
Depois de uns 10 minutos praticando na areia, fomos para a água. Juntamente com uma outra aluna e o instrutor – eram apenas dois alunos por instrutor – fui para a água na certeza que ficaria em pé logo de primeira.

Pensei que saber nadar razoavelmente bem e o equilíbrio aprendido em alguns anos de jet-ski (stand up) iriam me facilitar. Que nada. A remada na prancha é completamente diferente de simplesmente nadar, e a estabilidade+velocidade na prancha são muito menores que no jet.

Enquanto a minha colega, alguns bons centímetros mais baixa que eu ficou em pé logo na primeira e foi parar quase que na areia, de tão bem; penei para conseguir a minha primeira onda de verdade.
Aqueles poucos segundos que você fica em pé,
E vai perdendo o equilíbrio.
Até chapar na água!!! #mico
A altura e a absoluta falta de habilidade realmente me dificultaram um pouco no começo, mas a paciência e atenção do instrutor (Xavier) que me deu uma dica simples: calma e atenção aos detalhes, salvou as minhas aspirações.

Ele conseguiu em uma onda notar todos os erros que eu estava cometendo. Me chamou de lado e na onda seguinte, consegui ficar em pé e surfar a minha primeira onda!!!

Por mais que seja uma onda pequena em um mar calmo para os padrões havaianos, a adrenalina é grande para quem nunca havia sequer chegado perto de uma onda.
Mas enfim consegui juntar todas as dicas do Xavier, prestar atenção nos meus erros e finalmente surfar!!!
Depois de pegar o jeito, realmente você consegue pegar algumas ondas e se divertir de verdade.

Ao final de duas horas de aula, percebi duas coisas. Primeiro que surfar cansa bastante; meus braços estavam caindo de dor e as minhas costas me matando – mas estava feliz da vida de ter conseguido! Segundo que passei a admirar ainda mais aqueles atletas (desajuizados!) que pegam grandes ondas.

Para quem quiser uma experiência diferente e única em um lugar tão incrível, não deixe de marcar uma aula de surfe na Hans Hedemann Surf. As aulas em grupo custam a partir de US$ 75, mas se você quiser existem outros programas personalizados, como aulas particulares.

Além de aulas de surfe para principiantes, eles também têm programas para surfistas já iniciados que são realizados na sede deles em North Shore (Turtle Bay Resort). Fora isto, eles também ensinam SUP (stand up paddle) e body board.

Bora lá aprender a surfar em grande estilo!


* O Cumbicão testou os serviços mediante uma parceria estabelecida com o operador local para coletar material para este post. Todas as opiniões e relatos aqui descritos refletem fielmente a experiência, atendendo à política do blog.

Quer receber mais dicas de viagem e saber quando saem os próximos posts?
Curta nossa página no Facebook, aqui.
Siga-nos no Twitter @cumbicao.
E no Instagram – Cumbicão.

Booking.com

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Deixe seu comentário, sugestão ou dúvida aqui