23 de maio de 2016

Farmácia de viagem: Para o que? O que levar?

Nem sempre no caminho tem uma super-farmácia assim!
Ficar doente durante viagens é algo que infelizmente pode acontecer. Já tive desde pequenos contratempos como um resfriado e mal-estar alimentar, até uma gripe terrível que me obrigou a fazer um tour pelo Hospital de Kona no Havaí.
Este tipo de situação é mais comum do que se imagina e você pode até estar muito bem às vésperas do embarque, mas existem alguns fatores que podem potencializar eventuais contratempos com a saúde durante uma viagem.

Não é raro em viagens a gente dormir menos do que o de hábito para conseguir ver tudo o que se quer. Ou pior, em decorrência do jetlag.

E as mudanças climáticas então? Experimente do Brasil em pleno verão e desembarcar no inverno da Suíça – o contrário traz riscos. Das últimas duas vezes que voltei de lugares com grandes diferenças climáticas me lasquei!

Por melhor que seja a empresa aérea, não são raras as vezes os passageiros sofrem com o ar-condicionado da aeronave que judia de quem sofre de sinusite, ou, dependendo da sua resistência aumenta o risco de contrair uma gripe tanto pelo ar frio quanto demasiadamente seco da cabine.

Isto para não falar em eventuais problemas causados por alimentos, mal preparados muito condimentados. Isto para não falar nas alergias à alimentos. Às vezes em viagem a gente acaba se alimentando forma menos saudável, tanto comendo menos quanto saindo de uma dieta mais regrada.

Mas e ai? O que fazer se você ficar doente no exterior?

Bem, primeiramente, vamos deixar bem claro. Se for algo grave que demande a intervenção médica ou o uso de algum medicamento que dependa de prescrição do médico, a popular receita, procure atendimento médico. Automedicar-se (salvo se você for médico, é claro!), é algo extremamente perigoso.

Neste sentido, reitero a importância de ter um seguro viagem que cubra atendimento médico no exterior. Vai por mim, na hora H vale cada centavo!

Porém o que fazer no caso de um simples resfriado ou mal estar por conta da comida que não caiu bem? Como conseguir aquele remédio isento de prescrição que pode salvar a sua viagem, ou evitar o agravamento da situação?

Conversei com alguns amigos e notei que pouca gente se preocupa em levar nas viagens uma pequena farmácia, algo como um kit de primeiros socorros, com alguns medicamentos mais simples, especialmente aqueles chamados isentos de prescrição que você pode comprar nas farmácias sem receita.

 “Ah, mas se eu precisar compro lá” ou “Nunca pensei nisso” são as respostas mais comuns que ouço quando o assunto é esse.

Quem pensa que é fácil comprar um remédio (ainda que isento de prescrição) no exterior pode ter uma desagradável surpresa. Não são raros os países onde até para comprar um simples analgésico para dor de cabeça ou um antigripal, é necessário antes consultar-se com um médico. Imagina ir ao médico só por conta de uma leve dor de cabeça ou um leve resfriado?

Enfim, não é em todos os países que as farmácias têm medicamentos isentos de prescrição.

Some ainda o fato de que não raras vezes você não encontrará no exterior os mesmos produtos que está acostumado a comprar aqui no Brasil. Aventurar-se pelas prateleiras de uma farmácia no exterior sem o conhecimento médico pode ser bem ariscado. Tô falando sério!

Assim, sempre que a gente viaja leva uma pequena farmácia com medicamentos isentos de prescrição para tratar pequenas intercorrências como gripes, resfriados, febre, mal-estar alimentar, e dores musculares, por exemplo.

Nela, a gente sempre leva no mínimo o seguinte*:

     Antiácido
     Antialérgico (consulte seu médico)
     Antigripal
     Antisséptico para cortes e arranhões
     Antitérmico
     Curativos adesivos
     Descongestionante nasal
     Fluidificante nasal à base de cloreto de sódio (muito útil no ar-condicionado do avião!)
     Gaze e esparadrapo
     Medidor de pressão digital
     Pastilha para garganta
     Pomada para picada de insetos
     Remédio para enjoo
     Remédio para fígado
     Remédios para desarranjo intestinal
     Termómetro

* por questões legais não sugiro marcas nem fabricantes.

Ah, e não se esqueça de levar as bulas e conferir as datas de validade!

Preciso dizer que para quem viaja com crianças toda esta questão é ainda mais importante??? Fora que a lista invariavelmente é maior ainda!

Caso você queira algo além desta lista, sugiro que você consulte seu médico a respeito. Apenas ele tem condições de fazer a prescrição do medicamento.

Se você toma algum remédio de uso contínuo / frequente, como remédios para pressão e etc, leve consigo uma quantidade adequada ao tratamento durante o período da viagem. E como alguns países tem restrições quanto à quantidade de medicamento que se pode levar, é altamente recomendável neste caso levar a prescrição (receita) médica para ser eventualmente apresentada às autoridades locais.

Tenha ainda ciência de que algumas substâncias consideradas lícitas no Brasil podem não o ser no país de destino. Um exemplo disso é Dubai que tem regras bem restritas à alguns medicamentos. Nestes casos, ter a quantidade para os dias (sem exageros) e a receita médica é essencial.

E vocês, costumam levar uma farmácia ou um kit de primeiros socorros? O que têm nela?


Quer receber mais dicas de viagem e saber quando saem os próximos posts?
Curta nossa página no Facebook, aqui.
Siga-nos no Twitter @cumbicao.
E no Instagram – Cumbicão.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Deixe seu comentário, sugestão ou dúvida aqui