24 de novembro de 2016

Dicas da Espanha - Barcelona: O que fazer na capital da Catalunha.

Barcelona, um dos grandes destinos de viagem na Espanha.
Poucos países recebem uma quantidade tão grande de turistas como a Espanha que com a marca de quase 65 milhões de visitantes/ano é o 3º país mais visitado do mundo. O número impressiona principalmente se considerarmos que a população é de 46 milhões de habitantes. Acho que deu para notar o potencial espanhol.

Já tive a oportunidade de visitar o país duas vezes e tenho um carinho especial pelo destino, afinal, o Avila vocês acham que veio de onde???

Um dos destinos que mais gostei e que recebe boa parte dos turistas que visitam a Espanha é Barcelona, a interessantíssima capital da Catalunha.

Se quando você ouve Barcelona só lembra do time de futebol... melhor pensar melhor porque a cidade é um excelente destino de férias, especialmente no verão europeu.


Para quem não lembra, a Catalunha é a região da Espanha que fica no Sudeste do país e que de tão diferente restante do país, vira-e-mexe tenta a sua independência. Aliás recentemente as mobilizações neste sentido se intensificaram consideravelmente.

Um dos traços mais visíveis é o fato de que lá o idioma espanhol não é o mais comum, mas sim o catalão. Embora seja um idioma bem diferente do espanhol, não se preocupe, se você falar espanhol será entendido facilmente por todos e vice-versa.

Barcelona também é conhecida como capital do modernismo e um paraíso aos amantes da arquitetura. A cidade, na qual viveu e trabalhou o arquiteto Antoni Gaudí conta com algumas de suas obras mais relevantes. Ele é o maior expoente do modernisme ou art nouveau que surgiu no final do século 19, tendo a maior parte de suas construções localizadas no bairro de Eixample.
Só mesmo em Barcelona para uma cena destas. #PedalandoPelado!!!
Quando ir? Com uma população de 1,6 milhões de habitantes, Barcelona é um destino a ser considerado para qualquer época do ano, já que mesmo no frio europeu as temperaturas não baixam muito da faixa dos 10ºC, mas é no verão que a cidade fica ainda mais interessante por conta da possibilidade de curtir uma praia:



Máximas
13°C
14°C
16°C
17°C
20°C
24°C
27°C
28°C
26°C
21°C
17°C
14°C
Mínimas
4°C
5°C
7°C
8°C
12°C
16°C
19°C
19°C
17°C
12°C
8°C
6°C
Média
9°C
9°C
11°C
13°C
16°C
20°C
23°C
23°C
21°C
17°C
12°C
10°C

Como chegar? Atualmente a forma mais conveniente de viajar para a capital catalã é pela TAM, num voo direto de Guarulhos – infelizmente a Singapore Airlines que fazia uma escala lá já não voa mais para o Brasil.

Como nós vínhamos de um giro por outras cidades espanholas, chegamos em Barcelona de carro, o qual foi rapidamente dispensado porque na cidade estacionar é bastante complicado e você dificilmente irá precisar de um para conhecer as principais atrações.


Barcelona é uma cidade razoavelmente plana, o que a torna perfeita para quem quer caminhar e apreciar principalmente a sua arquitetura única. Mas se você precisar utilizar os meios de locomoção para destinos mais distantes, a infraestrutura da cidade neste quesito é excelente – aliás este e outros itens são legado das já longínquas Olimpíadas de 1992. A maioria dos pontos de interesse possui uma estação de metrô poucos passos dali e elas funcionam das 5h00 às 24h00 e, às sextas, sábados e feriados, até às 2h00.

Não tive a oportunidade de testar os ônibus, mas dizem que são bons.

A passagem vale para qualquer um dos meios já que o sistema operado pela empresa TMB é totalmente integrado. Aliás, no site da TMB vocês encontram desde os mapas atualizados de transporte e rotas turísticas até o valor das tarifas e tipos de bilhetes (há bilhetes únicos e bilhetes múltiplos, estes muito recomendados para turistas). Os bilhetes são vendidos em bancas ou nas estações de metrô e, no caso de ônibus, e preciso validá-los na máquina em seu interior e, nos metrôs, na roleta.


Existem também meios de transporte diferentes como este.
Para ir do aeroporto à cidade e vice-versa, Barcelona tem várias opções: táxi, ônibus, trem e mais recentemente, metrô. Vamos a cada uma delas para que você escolha a que lhe for mais conveniente.

O aeroporto de El Prat fica a apenas 16km do centro da cidade, e uma corrida de táxi custa algo entre €30/€35, dependendo do seu destino final em Barcelona. Para quem quer conforto e pode dividir o valor com os companheiros de viagem, é a melhor opção.

Quem quiser algo mais em conta, pode utilizar os serviços da empresa AEROBUS. Trata-se de um ônibus especial que ao custo de €5,90 faz paradas ao longo da rota pré-estabelecida que passa pelos principais pontos da cidade: Plaça Espanya, Plaça Universitat e Plaça Catalunya.

A opção mais econômica é utilizar o sistema de trens. A partir da estação situada no Terminal 2 do aeroporto e ao custo de €0,99 você adquire um bilhete T-10 que faz o trajeto até as estações Barcelona Sants, Barcelona Passeig de Gràcia e Barcelona Clot. Os trens partem a cada 30 minutos.

Recentemente a linha 9 do metrô também passou a ser uma opção para quem viaja de-para o El Prat. Ao custo de €4,50 é indicada para quem se hospeda na região da Fira de Barcelona (L’Hospitalet de Llobregat) ou arredores das estações Collblanc e a Zona Universitária, já que não precisa de baldeação. Importante ressaltar que este bilhete não é válido para baldeações, então se precisar de uma troca de linha, será necessário adquirir outro tipo de bilhete.

Onde Ficar? Ficamos em um pequeno hotel nos arredores das Ramblas, mas sinceramente eu não recomendaria nem o hotel, nem a localização por ser muito turística. Paga-se caro demais por muito pouco. Hoje, optaria por alugar um apartamento no Airbnb no bairro de Eixample que é mais tranquilo e agradável.
Por mais que tenha gostado do Bairro Gótico para passear, para hospedagem achei caro demais pelo que oferecem os hotéis dali.
Quanto tempo? Vai muito do seu pique de viagem, mas algo entre 3 e 4 dias é o ideal para conhecer o básico da cidade.

Se você como eu sempre que chega em um destino gosta de passar no posto de informações turísticas, seja para pegar um mapa ou alguma informação específica, Barcelona tem postos espalhados por toda a cidade:

- Plaça de Catalunya: das 9h00 às 21h00;
- Pl. Països Catalans, s/n: segunda à sexta das 8h00 às 20h00, finais de semana das 8h00 às 14h00.
- Pl. Portal de la Pau s/n: das 9h00 às 21h00;
- Ciutat, 2 (Barcelona City Hall): de segunda à sexta das 8h00 às 20h00, finais de semana das 8h00 às 14h00;
- La Rambla, 115: das 9h00 às 21h00;
- Estació Sants: de segunda à sexta das 8h00 às 20h00, finais de semana das 8h00 às 14h00;
- Passeig de Gràcia 107 (metrô Diagonal): de segunda à sexta das 10h00 às 19h00, e finais de semana até 14h30.

Para quem quiser, o portal oficial do organismo de turismo da cidade também merece uma visita.

Espera-se nunca precisar, mas precisando, o consulado brasileiro em Barcelona fica na Av. Diagonal, 468, 2n – Gràcia - Telefone 934 882 288 - http://www.brasilbcn.org - contato@brasilbcn.org

Mas e aí? O que tem para fazer em Barcelona?

Como tem muita coisa legal para fazer na cidade, recomendo dividir as atrações por bairros, assim fica mais fácil o planejamento.

Sugiro começar pelo Bairro Gótico, o verdadeiro centro e a parte mais antiga de Barcelona – particularmente a minha favorita. A área é cheia de vielas e construções para lá de antigas onde se respira um pouco da história não só da cidade, mas da Espanha.

No coração do Bairro Gótico não deixe de conferir o belíssimo Palau de la Generalitat, um edifício de 1403 que funciona como sede do governo catalão.
Palau de la Generalitat.
Dois detalhes chamam a atenção neste edifício histórico: a bela estátua de Sant Jordi (São Jorge) - padroeiro da cidade – e o prédio anexo que se liga a ele através de uma ponte inspirada na Ponte dos Suspiros de Veneza. Fica na Pl. de Sant Jaume.
De fato lembra bem a Ponte dos Suspiros em Veneza.
Um dos prédios que acho mais interessantes nesta região da cidade é a Catedral de Barcelona. Originalmente edificada sobre uma basílica romana, ela foi construída ao longo de 400 anos e sua atual configuração data de 1913.

Interior da catedral é cheio de detalhes interessantes, como por exemplo a pia batismal na qual foram batizados três índios vindos do Caribe em 1493. Fiquei imaginando o assombro deles ao chegarem em uma cidade.
Interior da Catedral de Barcelona.
Adoro estes assentos.
Além da enorme abobada central com 26m, não deixe de observar as belas cadeiras do Coro e o Claustro com a estátua de São Jorge. Se estiver aberta, vá até a Cripta onde está o sarcófago de alabastro de Santa Eulália (padroeira da cidade).

A Catedral fica na Plaça de la Seu e para consulta dos horários e valor da entrada atualizados, sugiro consultar o site oficial.
Não deixe de conferir o claustro. Lindo!
Já saindo do bairro gótico, sugiro visitar o Conjunt Monumental de la Plaça del Rei. Trata-se de um complexo onde estão o Palácio Real e o Museu de História da Cidade. O Palácio Real foi construído no século 13, onde o grande destaque é o Saló de Tinell, um enorme salão gótico onde Colombo foi recebido pelo Rei Fernando e Isabel depois de sua viagem às Américas. O lugar também foi palco da Inquisição.

Fora isso ainda tem o Museu de História da Cidade que guarda a maior ruína subterrânea romana o mundo. Vale a pena ver.

Aproveite também para conhecer a Basílica de Santa Maria del Mar, cuja construção na Idade Média foi extremamente rápida para os padrões da época – 55 anos. Dizem que parte desta agilidade deu-se aos fundos que foram custeados por comerciantes locais. Fica na Plaza Sta Maria e abre diariamente das 9h00 às 13h30 e das 16h30 às 20h00.

Assim como outras tantas cidade, Barcelona também tem seu bairro da luz vermelha. Embora esteja bem longe de ser agitado como o Red Light de Amsterdã, o El Raval que fica a oeste de Las Ramblas tem seus pontos turísticos.

Por ali vale conferir aquela que foi a primeira grande manifestação artística de Gaudí, o Palau Güdell de Gaudi.
Palau Güdell de Gaudi.
Não tem uma chaminé igual à outra.
A belíssima construção foi encomenda daquele que viria a ser o seu "mecenas", o industrial Eusebi Güell. A ideia era ampliar a residência da família, que ficava nas Ramblas, o que ocorreu com a união dos edifícios por um corredor.

Dentro, há todos os cômodos de uma casa comum. Tudo normal, não fosse pela excentricidade de Gaudí, que investiu na mistura de estilos gótico e muçulmano. No telhado, o arquiteto resolveu abusar da inspiração e concebeu 18 chaminés surrealistas, uma orgia de mosaicos multicolores.

Um grande destaque merece a cúpula em forma de agulha coroada por um para-raios de ferro, latão e cobre. Declarado Patrimônio Mundial da Humanidade pela Unesco em 1984, o Palau Güell é hoje Biblioteca do Instituto de Teatro.

Fica na Nou de la Rambla, 3-5 e abre diariamente das 10h00 às 20h00 (17h30 no inverno). A visitação feita num tour guiado custa € 12. Programe-se porque as entradas do dia esgotam rapidamente.

Clichê ou não, andar por ela é inevitável. Las Ramblas é sem dúvidas um dos lugares de mais frequentados de Barcelona (em catalão Les Rambles – leito seco de rio sazonal). Trata-se de uma passarela situada entre a Praça da Catalunha (Plaça de Catalunya), centro da cidade, e o antigo porto de Barcelona.
Nas Ramblas, não foque na multidão ou nos ambulantes e artistas.
Curta os detalhes arquitetônicos.
Las Ramblas.
Ali são encontrados quiosques de flores, cafeterias, restaurantes, artistas de rua e lojas comerciais com movimento praticamente o dia todo.

Por mais que a quantidade de artistas de rua e vendedores ambulantes tentem distrair o seu passeio, a minha sugestão é para que dentro do possível você foque as suas atenções nos belíssimos edifícios ali existentes. Digo isso porque muitos, considerando a profusão de artistas e ambulantes, acabam não menosprezando o passeio.

Logo no início, para quem sai da Praça da Catalunha, confira a Font de Canaletes que data do século 19.

A partir das Ramblas, pegue um breve desvio na Carrer del Colom para visitar a Plaça Reial, uma charmosíssima praça cheia de bares e restaurantes. Na minha opinião, uma das mais belas de Barcelona.
Plaça Reial.
Voltando às Ramblas, não deixe de conhecer o mercado de La Boquería, um dos melhores da Europa. Se você não costuma visitar mercados nas suas viagens, não sabe o que está perdendo. É neste tipo de lugar, frequentado não só pelos turistas, mas também pelos locais que a gente realmente nota como são os hábitos locais.
La Boquería.
As frutas são tão bonitas que nem parecem de verdade.
Frutos do mar.
E a banca de chocolates??? Hummm.
O mercado nem é tão grande assim, mas a variedade de bancas e a qualidade dos produtos ali expostos é sem dúvidas algo imperdível.

No final das Ramblas (considerando que você começou a sua caminhada na Plaça de Catalunya), está o Monument a Colom. Trata-se de uma coluna em homenagem à Colombo construída para a Exposição Universal de 1888. Dizem que a estátua, no topo dos seus 60m de altura, estaria apontado para as Américas, já que teria sido ali que ele desembarcou em 1493. É possível subir a torre e ter uma boa vista da cidade.
A América fica para aquele lado!
Próximo dali se encontra a região do porto de Barcelona. Se só de ouvir a palavra porto você torceu o nariz, já que na maioria das cidades esta é uma região bastante degradada; saiba que isto não se aplica à Barcelona, já que ali funciona hoje um complexo cheio de atrações.
Região do porto de Barcelona.
Barquinhos charmosos.
E iates de babar!
Nesta região vocês encontram interessantíssimas atrações como por exemplo o Museu Marítimo (Museu Maritim), dedicado sobre tudo à história naval do Mediterrâneo – e olha que disso os espanhóis entendem. Existe ali até uma reprodução em escala real de um navio da era das explorações. Quem viaja com crianças não pode perder o L’Aquàrium de Barcelona. Gosta de história? Visite o Museu d'Història de Catalunya.

Fora isso, ali vocês encontram muitas lojas, bares e restaurantes.

Assim como outras grandes metrópoles europeias, Barcelona também tem a sua ópera: o Palau de la Música Catalana. O grande destaque desta sala de concertos é o fato dela ser a única sala de concertos da Europa iluminada por luz natural, graças ao enorme e belíssimo vitral datado de 1908. Fica na Carrer de Sant Francesc de Paula, 2; e abre diariamente 10h00 às 15h30.
Palau de la Musica Catalana. Créditos Matteo Vecchi.
Procurando por um parque para passear? Vá ao Parc de la Ciutadella. Muito frequentado pela população local nos finais de semana tem como principal atração o zoológico da cidade. Fica na Avda del Marqués de l´Argentera e abre diariamente das 8h00 às 22h30.

Quem disse que uma cidade grande e cheia de atrações históricas não combina com praia não conhece Barcelona. Na orla da cidade, duas praias se destacam: Barceloneta e a Praia da Vila Olímpica (existem outras praias mais ao norte também).

No passado, a região de Barceloneta era uma vila de pescadores situada numa região abaixo do centro da cidade; mas hoje é a praia mais famosa de Barcelona com um delicioso calçadão para quem curte uma caminhada pela orla e uma extensa faixa de areia com um mar lindo. Isto para não falar nos vários bares e restaurantes à beira mar.
Nas areias,
Ou para caminhar no calcado, praia é uma ótima opção em Barcelona.
Barceloneta.
Praia da Vila Olímpica.
Programa imperdível em Barcelona.

Uma área interessantíssima de Barcelona é o bairro de Eixample. Das áreas mais conhecidas dos turistas é a mais nova da cidade, coisa dos anos 1800 - numa cidade tão antiga assim, qualquer coisa acima de 1800 pode ser considerada nova :).

Logo que você olha este bairro no mapa fica claro que trata-se realmente de algo bem diferente do restante da cidade. Todas as suas ruas são simétricas e muitas delas são bem largas. #MorariaLáFácil.

Fora que o bairro tem atrações imperdíveis.

Andando por Eixample, não deixe de conhecer o conjunto de casas que ficou conhecido como Illade la Discórdia. Situadas em um mesmo quarteirão e formando um átrio central, algumas das mais representativas do estilo art noveau de Barcelona. Todas foram construídas entre 1900 e 1910. Fica no Passeig de Gárcia.

Ainda no Passei de Gárcia, não deixe de ver a Casa Milà ou La Pedrera, não só por ser a maior construção de Gaudí depois da Sagrada Família mas também um símbolo da cidade. Certamente o edifício não se parece com nada que você já tenha visto antes. Construída entre 1906 e 1910, não há uma única parede reta no prédio, que segue formas totalmente irregulares, uma das características mais marcantes do artista.
La Pedreira.
A La Pedrera abre diariamente das 9h00 às 18h30 e 19h00 às 21h00 e o ingresso custa a partir de € 20,50 (mas existem diferentes tipos ingresso no site).

Gaudí deu ainda à Barcelona o seu maior símbolo: a Sagrada Família.
As torres da Sagrada Família em meio aos guindastes.
O seu estilo é único, como não poderia ser diferente, já que estamos falando de Gaudí. Dizem inclusive que ele ia improvisando de acordo com as ideias que surgiam. E haja ideia, pois ele viveu por 16 anos no interior da igreja coordenando os trabalhos. Hoje, está enterrado na cripta da igreja onde são realizadas as missas.
Detalhe da entrada.
E seguem as obras!
As suas formas orgânicas inspiradas na natureza lhe trazem um estilo único. O mais interessante é que a igreja tem duas fachadas absolutamente distintas. Uma com linhas mais sóbrias, cujo tema é a representação da Paixão de Cristo; e outra toda ornamentada com detalhes que rementem à natureza.
Enquanto um lado é mais sóbrio,
O outro é uma profusão de referências à natureza.
Como na base desta coluna que tem uma tartaruga.
Ou nas colunas centrais que remetem ao tronco de árvores.
Não dá para negar a inspiração.
O mais incrível é que, mesmo tendo a sua construção iniciada em 1883, até hoje ela não foi terminada. Dizem que seu termino está previsto para até 2020. Acho que a grande sacada nem é mais dizer um dia que viu a Sagrada Família completada, mas sim que a visitou durante a sua construção!

De todas as atrações de Barcelona, sem dúvida uma das melhores. Anote aí: ela fica na Mallorca, 401; abre diariamente das 9h00 às 18h00; e o ingresso custa a partir de €15 – existem vários tipos de ingressos no site oficial.

Más que un club! Futebol é uma paixão que transcende fronteiras. E alguns times mais tradicionais são vistos por seus torcedores como uma verdadeira religião. Ocorre que poucos conseguem ter este reconhecimento em nível mundial.


Camp Nou, pena que não deu para assistir um jogo :(
Nas minhas andanças por aí vi muitos torcedores fanáticos pelo Barcelona que nem sequer espanhóis eram. Certa vez um garoto em Israel, percebendo que eu era brasileiro, insistiu para que eu falasse como Neymar para ele aceitar logo ir para o clube catalão. Como se eu fosse amigão do jogador!

O sucesso do Barcelona enquanto time decorre muito de suas vitórias e do seu elenco galáctico (roubando o termo do arquirrival Real Madri). De outro lado, o marketing também conta muito. Basta ver que em 2006 o Barcelona simplesmente ignorou as propostas de patrocínio para estampar na sua camiseta durante muitos anos o logo da UNICEF, pagando inclusive valores à esta respeitada organização da ONU.


Abrir mão do patrocinador é coisa para poucos, ou melhor, só para o Barcelona.
Mas a esta fama do Barcelona Futebol Clube ser considerado mais que um clube vem dos tempos da ditadura, quando Franco proibiu o uso da bandeira catalã e os locais passaram a usar a bandeira do time como símbolo “oficial” da região e oposição ao regime.

Quem quiser saber um pouco mais sobre o Barcelona ou simplesmente visitar um dos estádios de futebol mais famosos do mundo deve aproveitar para conhecer o Camp Nou que, construído em 1957 e ampliado para a Copa do Mundo de 1982, é um dos maiores da Europa, com 100mil lugares.

Além do estádio em si, o que já vale a visita, há ainda um interessantíssimo museu que conta as inúmeras glórias do time catalão, com direito a itens como por exemplo os mais cobiçados troféus do futebol mundial.
Itens históricos.
E troféus cobiçados.
Na saída, é praticamente impossível resistir à loja de souvenires e itens oficiais do time. Tem literalmente de tudo!

Então tome nota: o estádio fica na Avda de Aristides Maillol; o ingresso custa €23 e o horário sugiro consultar aqui pois as mudanças são frequentes.

Uma das praças mais belas de Barcelona é a Plaça d´Espanya, uma bela praça com uma fonte em forma de cascatas que desce a partir do Palau Nacional. Nas noites de verão (quinta-feira a domingo) seus jatos dançam de acordo com a música.
Plaça d' Espanya e o Palau Nacional.
Dali, sugiro que você siga para a região de Montjuic, uma das duas montanhas dominam a cidade. O Montjuic, com 218m, é um pequeno monte situado junto ao porto, em cuja topo encontra-se uma antiga fortaleza militar que serviu para vigiar a entrada de Barcelona pelo mar. Preciso dizer que a vista dali é linda?
Vista da cidade
E do porto a partir de Montjuic.
Nesta montanha encontra-se ainda as instalações olímpicas, como o Estádio Olímpico Lluis Companys, o Palácio Sant Jordi e as Piscinas Picornell – é a maior área de lazer da cidade. Aliás uma curiosidade sobre o Estádio Olímpico: ele havia sido construído para as olimpíadas de 1936, as quais foram canceladas em razão da Guerra Civil, e foi reformado para as de 1992 quando a sua capacidade foi ampliada para 70mil pessoas.
Estádio Olímpico palco da Olimpiada de 1992.
Quem não se lembra da pira sendo acesa com uma tocha? Ou quase, como muitos dizem.
A torre símbolo do evento e o Palau Saint Jordi, onde o volei brazuca ganhou o seu primeiro ouro olímpico.
Fora tudo isso ainda existe um museu olímpico.
Quem quiser conhecer um pouco mais da cultura local, e em especial ver um pouco da arquitetura das várias regiões da Espanha pode visitar o Poble Espanyol, uma área com réplicas de casas típicas que foi construída para mostrar as construções espanholas durante a Feira Internacional de 1929 que se realizou em Barcelona.

Já a montanha de Tibidabo não tivemos tempo de visitar. Mas se você puder, ali fica a Igreja do Sagrado Coração, visível de toda a cidade, e o Parque de atrações de Tibidabo, e a Torre de Collserola, antena de telecomunicações que dispõe de um mirador.

Uma atração imperdível, especialmente para quem curte arquitetura é o Parc Güell. Considerado patrimônio da humanidade pela UNESCO, este parque criado por Gaudí é uma das principais atrações de Barcelona.
Parc Güell, um programa imperdível em Barcelona. Créditos: Parc Güell.
Definitivamente Gaudí era um cara criativo! Créditos: Parc Güell.
Num dia de sol é perfeito. Créditos: Parc Güell.
O parque está aberto diariamente de 30 de outubro até 26 de março das 8h30 às 18h15; de 27 de março até 1 de maio abre das 8h00 às 20h30; de 2 de maio até 28 de agosto abre das 8h00 às 21h30; e de 29 de agosto até 29 de outubro abre das 8h00 às 20h30. O acesso ao parque é gratuito, mas o ingresso à área chamada zona monumental custa €8 se comprado na hora - que quem compra pela internet tem um desconto de €1 e garante a visita que é bastante concorrida.

Se depois de tantas atrações ainda sobrar tempo em Barcelona, uma sugestão é fazer um bate-e-volta até o principado de Andorra que fica 200km. Garanto, é um passeio e tanto!

Gostou? Aproveite a nossa parceria com o Barcelona Turisme, órgão oficial de turismo da cidade, e adquira já os ingressos para as principais atrações com um considerável desconto:
Quer receber mais dicas de viagem e saber quando saem os próximos posts?
Curta nossa página no Facebook, aqui.
Siga-nos no Twitter @cumbicao.
E no Instagram – Cumbicão.

Booking.com

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Deixe seu comentário, sugestão ou dúvida aqui