22 de junho de 2012

Dicas da POLÔNIA (II): Varsóvia, por trás da Cortina de Ferro


Old Town Market Square.

Nossa primeira parada na Polônia foi Varsóvia, que com pouco mais de 1 milhão e meio de habitantes, é a capital nacional.
Mesmo não sendo a joia do país sob o ponto de vista turístico, vale a pena ser visitada, principalmente para sentir um pouco do clima da Polônia durante a Guerra Fria, já que a maioria das construções ainda existentes são do período posterior à invasão nazista, responsável por destruir quase que a cidade inteira.
Quanto tempo ficar? Depende muito do ritmo de cada um e dos interesses particulares, mas acho que dois dias para visitar a cidade são mais que suficientes. Particularmente, ficamos um dia inteiro e deu para ver as principais atrações e sentir um pouco do clima local.
Chegando à cidade de trem, a parada é na enorme estação central, de onde é possível pegar um metrô ou até mesmo um táxi para o hotel.
Já para aqueles que chegam de avião pelo Aeroporto Frederic Chopin, a única opção são pegar um táxi ou usar as linhas de ônibus que levam à cidade. De táxi, a viagem de 10 km não costuma demorar mais de 30 minutos e custa aproximadamente PLN 50 (a depender do horário e destino). Não testei os ônubus por conta do horário e cansaço da viagem.

Aeroporto de Varsóvia, pequeno mas moderno.

Tem até decoração de Natal...


Agora convenhamos, bem que os poloneses poderiam ter aproveitado a EuroCopa 2012 para fazer uma linha de metrô ligando o aerooporto à cidade. Bom.....Melhor não critircar porque neste quesito o Brasil também está para lá de atrasado a Copa do Mundo está ai....



Visualizar Cumbicão - Varsóvia em um mapa maior 

 Embora não seja “o destino turístico”, Varsóvia recebe uma grande quantidade de pessoas que vão para lá a negócios, razão pela qual tem uma vasta opção de hotéis. Como precisava de algo próximo à estação de trem para facilitar os deslocamentos, optei por ficar no Hotel Metropol que fica praticamente em frente à estação central. Mesmo sem ser um hotel top, cumpriu bem seu papel, no esquema Bom Bonito e Barato. Com um quarto bastante amplo e limpo, e um café da manhã bem servido, agradou bastante.

O quarto não tem nada de mais, mas é espaçoso.

A limpeza de um hotel se mede pelo banheiro. Nota 10!

Buffet de café da manhã reforçado. Detalhe ao tamanho da mexerica.


E por ficar perto do principal shopping center da cidade, dá para ir comer algo por lá mesmo ou até comprar algo no supermercado.
Para um mapa ou uma informação turística mais específica, vale a pena passar em um dos quatro Postos de Informação Turística: Central Railway Station - Main Hall, 54 Jerozolimskie Ave. info@warsawtour.pl, no verão das 8h00 às 20h00 e no inverno até as 18h00; Warsaw Frederic Chopin Airport, 1 Żwirki i Wigury St. Terminal 2 info@warsawtour.pl no verão das 8h00 às 20h00 e no inverno até as 18h00; Tourist Information Centre, 39 Krakowskie Przedmieście St. info@warsawtour.pl, no verão das 9h00 às 20h00 e no inverno até as 18h00.
A embaixada do Brasil fica na UL. Poselska 11 - Saska Kepa 03931 WARSZAWA – POLSKA tel: (00XX4822) 617-4800/0500 fax (00XX4822) 617-8689 e-mail: polbrem@polbrem.it.pl
Transporte. As atrações são bem próximas, portanto muita coisa dá para ver a pé. Para as atrações mais distantes, o metrô, embora tenha apenas uma linha (norte-sul) atende bem – a leste-oeste deve ser inaugurada no próximo ano.
Outras opções são os charmosos bondes/tram (das 5h00 às 23h00) e ônibus de linha. Vale a pena dar uma olhada no site oficial do sistema de transporte de Varsóvia, que ficou bem melhor por conta da Eurocopa2012.

Alguns bondes são modernos, outros mais antigos como o da foto são bem charmosos.

Usar táxi é sempre uma opção, ainda mais por aqui onde o custo é um pouco menor que no resto da Europa. Todavia, o viajante deve tomar cuidado com a quantidade de táxis clandestinos, procure sempre aqueles com nome da companhia e número de telefone no topo. Ah, e verifique se o taxímetro está zerado ao entrar.
A cidade tem suas origens na Idade Média, quando na região de Stare Miasto foi construído uma fortificação cujas ruínas (muito bem preservadas por sinal) ainda podem ser vistas atualmente.
Aliás é nesta região que ficam as principais atrações da cidade. Sugiro descer na estação Stare Miasto do tram e explorar toda a região à pé, afinal, caminhar pelas ruas da Old City é uma oportunidade de ver o pouco (mas não menos interessante e belo) do que restou da Varsóvia antiga.


Portão das muralhas da Varsóvia medieval.

Um dos segmentos da muralha.

A região é muito charmosa, com belíssimos prédios e igrejas de arquitetura distinta daquele a que se está acostumada em outros países.


Casas diante da Praça do Castelo

Algumas viraram restaurantes charmosos.

Muitas têm ainda os enfeites originais.

Uma típica rua do centro antigo de Varsóvia.

Até alguns hotéis ali se instalaram.

Bem próximo à estação Stare Miasto, o viajante avistará a Praça do Castelo e a Coluna de Zygmunt (kolumna Zygmunta III Wazy), que construída em 1644, é o ponto de encontro da cidade. A sua construção deu-se em homenagem ao rei de mesmo nome, que na data de 1596 trouxe a corte de Cracóvia para Varsóvia.

Coluna de Zygmunt e a Praça do Castelo.


Diante da praça fica o Royal Castle (Zamek Królwski) um belo castelo do século XVI, cuja estrutura atual data do século XVI. 
Interessante que o castelo, embora tenha sido destruído totalmente pelos alemães durante a Segunda Guerra Mundial, alguns poloneses à época resolveram, antes dos bombardeiros e demolições alemãs, simplesmente retirar algumas obras de arte e artigos de decoração que foram mais tarde usados na reconstrução do castelo.

Royal Castle.

Atualmente não tem mais funções administrativas, servindo apenas como museu. O castelo fica na 4, plac Zamkowy, Warsaw 00-277. Stare Miasto tram; funciona de segunda à quarta-feira das 10h00 às 18h00; terça-feira das 10h00 às 20h00; sexta-feira e sábado das 10h00 às 20h00; e domingo das 10h00 às 18h00 – no inverno pode fechar mais cedo, vale checar o site oficial. A entrada custa entre PLN 12-20, e aos domingos é gratuita.
Aproveite para visitar a St John's Cathedral, uma igreja gótica do século XIV que foi praticamente reconstruída após a Segunda Guerra Mundial. Interessante que foi neste local que em 1791 foi assinada a primeira constituição da Europa. Fica na 8, ul. Swietojanska, e funciona diariamente das 10h00 às 13h00 e das 15h00 às 17h30.


O pouco que coube da fachada da St. John´s Cathedral na foto - eita vielas estreitas... Kkkk

Hora de se esquentar dentro da igreja...e agradecer pela boa chegada na primeira pernada de viagem, é claro.

Mas a grande atração local é a Old Town Market Square, uma charmosa praça cercada por prédios históricos. O local cujas origens datam da fundação da cidade no século XIII, era o ponto de encontro e de comércio dos habitantes de Varsóvia. Destruída pelos nazistas, foi reconstruída a partir de 1950.

Old Town Market Square. 

A feira de Natal é pequena, mas bacana.

Principalmente por conta das comidas diferentes. Detalhe aos peixes defumados pendurados.


Hora de encarar uma pizza, ou seja lá o que for - estava uma delícia!

Detalhe ao forno em que são feitas!

Os belos e bem conservados prédios da praça.

Substituiram a água por ... é .... bem ... neon (?!?!) para não congelar a fonte. 

De todas as atrações da região, considero que é a mais interessante, ainda mais no período que antecede o Natal, pois ali, a exemplo de Praga e outras tantas cidades européias, existe uma feira com artigos e comida da região.
Como já dissemos anteriormente, a Polônia foi o primeiro país a ser tomado pelos nazistas no início da Segunda Guerra Mundial, e foi dentre os países europeus, um dos que mais sofreu com a invasão e posterior dominação alemã.
E é ali, no bairro atualmente conhecido como Zlota, é que ficava a área na qual os judeus foram literalmente sitiados pelos nazistas, formando o que se passou a chamar de Warsaw Ghetto (ou Getto Warszawskie).
Quando da invasão alemã, nada menos do que os quase 500mil judeus que viviam em Varsóvia foram confinados numa área reduzida deste bairro até que fossem levados aos campos de concentração que estavam sendo construídos.
Atualmente não resta nada na região, a não ser marcos no chão e alguns poucos fragmentos do muro.
Embora não tenha tido tempo de visitar, um museu bacana para aqueles que gostam de história, é o Pawiak Prison, uma prisão política da temida GESTAPO, onde mais de 37.000 pessoas assassinadas. Dizem que o lugar é impressionante, pois ali, nas celas, estão objetos pessoais reconstruídos. Fica na 24/26, ul. Dzielna, Warsaw 00-162, perto do metrô Anielewicza tram. Funciona quartas-feiras das 9h00 às 17h00, quintas-feiras e sábados das 9h00 às 16h00; sextas-feiras das 10h00 às 17h00 e domingos das 10h00 às 16h00. Entrada gratuita.


As lembranças da Segunda Guerra Mundial são latentes, como neste monumento diante do fórum de Varsóvia. É, tentamos entrar, mas estavamos sem a carteira da ordem.... Kkkk

E por falar em GESTAPO, o prédio que atualmente serve ao Ministério da Educação (Aleja Jana Chrystiana Szucha 25), era durante a Segunda Guerra Mundial o quartel general da temida polícia política.
Se de um lado praticamente não existe mais sinais do período da ocupação nazista (por razões óbvias...) o mesmo não se pode dizer do período em que a Polônia este sob o julgo de Moscou.
Andar pela área fora do centro antigo de Varsóvia é como que mergulhar no período da chamada Cortina de Ferro. A arquitetura de aspecto pouco atraente e cinzenta, traços claros do comunismo até 1989 ali vigente é onipresente.
É bem verdade que muitos prédios modernos e muito mais atraentes estão despontando no horizonte de Varsóvia, mas disto para uma virada completa no visual da cidade, certamente levará mais alguns bons anos.
E um dos prédios que mais representam este período de dominação soviética é o Palace of Culture & Science, que de palácio no sentido clássico que conhecemos não tem absolutamente nada. Não que isto retire o charme e o interesse do local, mas chamar de palácio certamente confunde o viajante.

De dia e num clima nublado é até meio deprê. Recentemente fiquei sabendo que  os poloneses não curtem muito o prédio pelas lembranças do período do regime de Moscou.

Mas à noite, iluminado, fica bonito.

Trata-se de um edifício com 231 metros de altura (um dos mais alto do centro da cidade) e que representa o melhor exemplo da arquitetura comunista.
Interessante que o prédio foi um presente de Stalin para a Polônia. Começou a ser construído em 2 de maio de 1952 e terminou em 1955.
Do alto dos 114m do 30º andar tem-se uma bela vista da cidade – vale a vista. Fica na 1, Pl. Defilad, ao lado da Estação Central. Funciona diariamente das 9 às 18hs e a entrada custa PLN 15 e visita ao 30º andar PLN 20.


A vista do topo vale o passeio.

Pena que não deu para ver de dia.

Agora para quem quiser visitar um palácio polonês de verdade, fica a dica de visitar o Wilanów Park and Palace, a versão polonesa de Versailles. Trata-se de um palácio do século XVII e respectivos jardins com 45 hectares. Fica na 10/16, ul. S K Potockiego, Warsaw 02-958. Wilanów – para chegar, usar os ônibus para Wilanów n.º 116, 117, 130, 139, 164, 180, 519, 522, 700, 710, 724, 725, e E-2. Funciona de segunda, quarta quinta e domingo das 9h00 às 16h00 e sábado das 10h00 às 16h00. A entrada PLN 20.
E um pouco mais perto do centro da cidade, fica o Lazienki Park and Palace um palácio do século XVIII que serviu de residência ao último monarca polonês. Fica na 1, ul. Agrykoli, e funciona de terça à domingo das 9h00 às 16h00. A entrada custa PLN 12.
A noite de Varsóvia não é das mais animadas da Europa, mas para quem quiser dar uma volta pela capital, as áreas mais animadas são as regiões de Nowy Swiat e de Theatre Quarter com seus clubes e bares. Dizem que outra opção é o Praga District.
Mesmo que você não saia para uma noitada, não deixe de experimentar as cervejas polonesas, principalmente as marcas Lech (pronucia-se LEH); Żywiec (pronucia-se ZHIV-y-ets); Tyskie (pronucia-se TIS-kee); Okocim (pronucia-se oh-KO-cheem); Warka (pronucia-se VAR-kuh); Łomża (pronucia-se Uom-zha); Tatra; Van Pur. Tudo bem que depois de algumas, talvez a pronúncia não faça a menor diferença.


Um wrap improvisado e uma latona de Zywiec.

Vale também experimentar a vodca local, algumas delas com sabores, ou mais tradicionais como as marcas Chopin e Belvedere.
Para compras, Varsóvia tem desde shoppings à feiras de rua. Eis algumas sugestões:
O Zlote Tarasy - Mega mall é o melhor e maior shopping da cidade, localizado ao lado da Estação Central, não tem erro. Lojas locais e de redes mundiais trazem boas opções de compras. Para aqueles que curtem como eu um passeio no supermercado para comprar algo para beliscar durante o dia, não deixe de ir ao subsolo.
O interessante é que este shopping tem um telhado de acrílico que imita bolhas de sabão – algo bem diferente da sisuda arquitetura dos arredores. Funciona de segunda à sábado das 10h00 às 22h00 e domingos das 8h00 às 20h00.


O estranho telhado do Zlote Tarasy.

Para quem curte feiras de rua e mercados de pulgas, eis algumas opções que, embora não tenha tido tempo de visitar, vale compartilhar:
a) Bazar Na Kole: Mercado de Pulgas, que vende antiguidades, inclusive material da Segunda Guerra Mundial. Diariamente das 7h00 às 13h00. Endereço: 99, ul. Obozowa, Warsaw (transporte: Kolo tram).
b) Bazar Rózyckiego: é um bazar ao ar livre, que funciona desde 1905, servindo como mercado negro durante a ocupação germânica e no período comunista. Atualmente as suas bancas vendem literalmente de tudo. Horário: segunda à sexta das 6h00 às 17h00, e sábado das 6h00 às 15h00. Endereço: 54, ul. Targowa, Warsaw (transporte: Zabkowska tram).

Hora de fazer as malas e trocar de cidade!
No próximo post...Cracóvia, a joia polonesa.

Booking.com

Um comentário :

  1. Adorei as dicas, estou indo para lá dia 17/10/14.

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, sugestão ou dúvida aqui