22 de outubro de 2014

Dicas de Dubai (IV) - As atrações de Dubai Creek e arredores

Dubai não é feita apenas de construções megalomaníacas.
No nosso primeiro post a respeito das atrações de Dubai vamos mostrar algumas das atrações digamos assim mais históricas de lá.


Ainda que a história de Dubai seja bem recente e a maioria das pessoas tenha a impressão de que lá só existam prédios futuristas e construções megalomaníacas, eles conseguiram sim preservar parte de sua história em algumas atrações.
Pouca gente associaria esta paisagem à Dubai.
A maioria destas atrações mais tradicionais estão nos arredores do Dubai Creek (Khor Dubai), uma baía natural que faz a divisa entre Deira ao norte e Bur Dubai ao sul, marcando a região central de Dubai, onde muitos anos atrás, ali corria um rio que desembocava no mar.


Visualizar Cumbicão - Dubai em um mapa maior

O contraste entre estas duas áreas da cidade é tão grande que ao cruzar o Creek de Bur, Dubai para Deira, tem-se a impressão de estar em uma outra cidade. Os prédios modernos e as avenidas largas dão lugar a estreitas ruas e construções muito mais antigas, revelando a “velha” Dubai.

Quem quiser explorar a região de uma forma diferente, pode cruzar a baía em um pequeno barco chamado abra (AED 1) ou fazer um cruzeiro num barco à vela (dhows). É uma oportunidade para apreciar a vista e ver um pouco do dia-a-dia dos seus moradores.
Uma típica abra.
Estas rústicas e pequenas embarcações funcionam como um táxi coletivo, assim que lotam o barqueiro sai. Para quem quiser um pouco mais de conforto, como ar-condicionado, há a possibilidade de utilizar os water bus.

Por ali, vale conferir a Casa do Sheik Saeed Al Maktoum. Trata-se de uma típica construção do final de 1800, edificada na entrada do estuário para que ele pudesse controlar o tráfego marítimo. É um belo exemplo da arquitetura local – tradicional é claro, até mesmo porque pouquíssimo sobrou daqueles tempos...

É também nesta região que ficam alguns dos mercados mais interessantes da cidade.

O primeiro deles é o Gold Souk (The City of Gold), um tipo de mercado que provavelmente não existe em nenhum outro lugar do mundo. Aqui tudo que reluz é ouro sim.
Entrada do Gold Souk.
Em suas ruas estreitas são negociadas joias em ouro e prata, frequentemente cravejadas de diamantes e outras pedras preciosas estão ali expostas em vitrines como se fossem simples souvenires. Coisas de Dubai!

Embora nem todas as quase 300 lojas vendam joias, este é o produto da maioria dos comerciantes. Atualmente Dubai é o maior mercado de ouro do oriente médio (e talvez do mundo) – reza a lenda que somando-se o estoque das lojas teríamos algo em torno de 10 toneladas em ouro.
Gosto é gosto!
Algumas peças são realmente surreais.... Reparem na blusa de ouro. Assim... exposta numa vitrine de rua.

As peças vão desde itens finos até joias tão extravagantes que beiram o mal gosto. Vale aquela máxima: gosto não se discute! 

A qualidade do ouro também varia bastante, existem peças de 18, 21 e 22 quilates – eu, leigo no assunto nem sabia que existiam tantos assim.
Os preços do dia.
E não pensem que pela quantidade ser grande o preço é baixo. É como eu digo, ouro é ouro em qualquer lugar, portanto é caro ainda que a oferta seja grande. Mas como olhar ainda não custa nada... E se resolver comprar algo, pechinche.

No final do Gold Souk, na Sikkat al-Khali Street, vocês encontrarão o Perfume Souq. Não é um souk propriamente dito, mas sim uma sequencia de lojas que vendem essências para perfumes.

Outro mercado interessantíssimo, aliás o preferido lá de casa, é o Herbs Souk. Um destino de hábitos muçulmano não está completo sem um mercado de especiarias. Mesmo bem menor que o emblemático Bazar de Especiarias de Istambul, vale a visita especialmente para quem nunca viu um mercado destes, ou quiser simplesmente reabastecer o estoque de especiarias. :)

Além de ervas e temperos, muitos chás.
Lá é possível encontrar doces, incensos, açafrão e outros temperos com preços justos. Por acaso encontramos uma loja gerenciada por um sujeito que não só falava português como já tinha morado em São Paulo por alguns anos. Ai já viu... Saímos de lá cheios de temperos, incensos e até café. Ah, não deixe de provar as tâmaras recheadas com chocolate. Deliciosas.
A loja de que falei. A bandeira denuncia.
Fava de baunilha. O cheiro é maravilhoso!

À esquerda, açúcar no palito e à direita, doce de açafrão. Este fiquei curioso para saber como é.
Então anote ai. O Herbs Souk fica na Btwn Baniyas Rd, Al-Sabkha Rd & Al-Abra St.

Por fim, existe o Bur Dubai Souk. Nele são vendidos artigos variados como artesanato, tecidos e souvenires. Fica entre Bur Dubai waterfront & Al-Fahidi St.
Bur Dubai Souk.
Roupas, tapetes e artesanato.

Se você quiser conhecer um pouco da história de Dubai, a pedida é o Al Fahidi Fort (Museu de Dubai). Este enorme forte construído em 1799, que já serviu como instalação militar e prisão, abriga atualmente um museu que conta a história de Dubai. Excelente programa para quem se cansar do estilo futurista da cidade.

Fica diante da Grand Mosque na Al Fahidi St. Funciona de sábado à quinta-feira das 8h30 às 20h30 e sexta-feira das 14h30 às 20h30, e custa AED 3.

Já que você está ali, aproveite para ir à Grand Mosque. Com mais de 50 pequenas cúpulas e ela tem o minarete mais alto de Dubai, com 70m. O bacana é que embora tenha uma aparência antiga, ela foi construída em 1998, como uma réplica da que existia em 1900.

Infelizmente não está aberta a não muçulmanos.
A grande maioria das mesquitas não está aberta aos estrangeiros ou não muçulmanos.
Outra bela mesquita é a Jumeirah Mosque. Ela é uma das mais belas mesquitas de Dubai, e foi construída com pedras, seguindo as tradições Fatimid. Seus dois minaretes e domo são parte da paisagem local. Como praxe, as mulheres devem cobrir pernas, braços e cabelos. Homens devem usar calças.

É a única mesquita em que não muçulmanos são aceitos, mas você deve seguir um tour específico que demora 75 minutos chamado “Open doors. Open minds.”. Não precisa fazer pré-reseva e é uma boa oportunidade para aprender a respeito da religião muçulmana e desmistificar algumas questões que muita gente não compreende bem.

Fica na Jumeirah Road esquina com a 17B St e está aberta à visitação nos domingos e quintas às 10h00 (pedem para chegar lá pelas 9h45). O ingresso custa AED10.

Algo que infelizmente não tivemos tempo de fazer, mas que dizem ser interessante é o chamado Safári no deserto. Basta olhar Dubai de cima para notar que trata-se de uma cidade encravada entre o mar e o deserto.

Uma das atividades mais comuns não só em Dubai, mas em outros destinos parecidos é curtir um passeio a lá Lawrence da Arábia, moderno é verdade...

São várias as empresas que oferecem este tipo de passeio. Eles são feitos em SUVs que te pegam no hotel e te levam para o meio do deserto para apreciar a paisagem, ver um camelo de perto e curtir um belo pôr do Sol. Ao final, há um jantar típico num acampamento beduíno com show de dança local.
O mais perto que chegamos de um camelo. Kkkk
Em média os passeios duram umas 6 horas e custam aproximadamente USD50 com jantar incluso. Eis aqui algumas empresas que oferecem este passeio: Arabian AdventuresOrientToursHormuz Tourism.

Quer receber mais dicas de viagem e saber quando saem os próximos posts?
Curta nossa página no Facebook, aqui.
Siga-nos no Twitter @cumbicao.
E no Instagram – Cumbicão.

Booking.com

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Deixe seu comentário, sugestão ou dúvida aqui