3 de outubro de 2017

Dicas de Dubai: Tenha seu momento Ayrton Senna no Dubai Autodrome

Meu momento de Senna no Dubai Autodrome.
Sem medo de parecer clichê, penso que uma das razões que nos faz querer viajar é experimentar coisas novas, comidas, culturas e emoções. Vez ou outra a gente aproveita que está viajando para se desprender e viver algumas daquelas experiências que desejamos desde longa data. Foi neste contexto que aproveitamos a nossa última passagem por Dubai para experimentar por alguns instantes o que é pilotar um carro de corrida em um autódromo, no caso o Dubai Autodrome.

Já namorava viver esta experiência faz tempo. Nas duas outras vezes em que passamos pelos Emirados Árabes, acabou não dando tempo ou simplesmente a agenda das driving experiences, como eles chamam estas atividades, não coincidia com as datas da nossa estadia lá. Mas desta vez a pole era minha!

Como muitos da minha geração cresci tendo como herói no esporte o mito Ayrton Senna (da Silva, como eu e alguns de vocês!). Até aquele trágico domingo de 1º de maio de 1994, como muitos brasileiros, acordava cedo ou varava a noite especialmente no GP do Japão para ver, na minha opinião,  o maior esportista brasileiro dar um show nas pistas. Se tivesse chovendo então... Era bandeira quadriculada na certa!

Bons tempos. Tempos em que a F-1 era mais braço do que computador. Tempos de rivalidades históricas. Tempos em que sentíamos um orgulho enorme de ver, em meio a tantas mazelas deste Brasil, o nosso hino tocado domingo sim, domingo não com o icônico capacete verde, amarelo e azul chegando na frente e nos representando. Em meio a uma mistura de orgulho e patriotismo, nos víamos como verdadeiros campeões, mesmo que na segunda-feira nada mudasse.
Pensa em uma criança feliz!
Ufa, precisava deste desabafo para poder contextualizar o quanto esta experiência representou para mim.

O Dubai Autodrome foi inaugurado em 2004 e está situado dentro de um complexo denominado MotorCity que além do autódromo si contempla também uma escola de pilotagem, pistas ao ar livre e indoor de kart, diversões eletrônicas, restaurantes, e ainda está sendo ampliado para conter mais opções de entretenimento.
Entrada da Motor City.
Welcome Center do Dubai Autodrome.
A pista é padrão FIA (Federação Internacional de Automobilismo) e está apta a receber qualquer tipo de competição em seus 5,39km de extensão. Hoje ela recebe competições oficiais como: FIA GT Championship, European Touring Car Championship, A1 GP, GP2 Asia, Lamborghini Super Trofeo ME, e Porsche GT3 Cup Challenge ME.

Da mesma forma que outros circuitos famosos, existem diferentes configurações com níveis de dificuldade diversos. Na verdade, são 3 circuitos em 1. Para a nossa experiência de pilotagem, foi utilizada a configuração menor (1,2km), em um traçado misto com curvas de baixa e alta velocidade, mas praticamente sem retas.
As três trechos do autódromo que são usados neste tipo de atividade.
Lá são oferecidas várias experiências de pilotagem, cada uma com um carro diferente, tempos de duração e graus de dificuldade próprios. Apenas para dar alguns exemplos, há a opção de pilotar um McLaren Sprint da GT4; um Audi R8 V10 ou um Audi TT; dois diferentes modelos da Lotus; ou até um Renault Clio da Clio CUP saído diretamente das pistas. Isto sem falar nas experiências de drift, onde você aprende o básico da modalidade.
A variedade de experiências é grande. Já pensou pilotar este McLaren???
Coisa linda!
Interior do McLaren. Se me deixarem entrar não saio mais não!!!
Como uma primeira experiência, optamos pelo Formula DXB, algo parecido com um Fórmula 3. Com um motor de 180HP que acelera de 0-100km/h em míseros 4,6 segundos garantindo uma excelente sensação de velocidade dentro do cockpit.

Chega de enrolação no paddock e vamos à experiência.

Chegamos 30 minutos antes do horário marcado (pedido da organização) e assinei a lista de presença e fui encaminhado para o vestiário para colocar o macacão, item de segurança obrigatório. Aliás, uma informação importante é que você tem que obrigatoriamente usar tênis ou qualquer outro calçado fechado. Também nesta linha de segurança, saiba que não é permitido utilizar nenhum tipo de suporte para GoPro, mesmo que você tenha seu próprio capacete.
Macacão bem conservado.
Quem estiver com familiares, existe uma área designada ao lado da pista para que eles possam assistir à experiência e tirar fotos.

Já dentro do macacão, hora de fazer o briefing. Eu e os outros 5 participantes fomos colocados em uma sala onde o carro estava exposto e um telão para mostrar as instruções.
Hora de aprender um pouco sobre pilotagem.
Em uns 15 minutos de conversa o instrutor Shawn dá uma breve, porém interessantíssima aula sobre condução e segurança. Por mais que te contem antes como será, é ali, com a adrenalina subindo que você tem a real noção do que será a experiência.

Como dito, o carro é algo equivalente a um Fórmula 3, com câmbio manual e sequencial de 4 marchas acionadas por uma alavanca (empurrando as marchas reduzem e puxando elas sobem). Nada de ABS; controle de tração; banco confortável ou qualquer outro item que possa representar peso extra e prejudicar a performance do carro. O interessante é que o carro não tem ponto morto. Então assim que você para, reduz para primeira e fica com o pé no freio.

O instrutor deixa claro que a forma de conduzir o carro na pista é totalmente diferente daquela à qual você está acostumado com o seu carro de passeio. Nesta hora você receia que seus instintos de motorista de trânsito anda-para lhe atrapalhem. Foque no que ele fala e esqueça quase tudo que aprendeu antes de entrar na sala.
Formula DXB.
Apertado? Você acostuma rápido com o que é bom! Este é o ponto de vista quando sentado no carro.
Nem mesmo fazer as curvas é igual àquilo que você faria com o seu carro de passeio. Há uma regra de traçado própria que se você já assistiu com atenção uma corrida ou até brinca no vídeo-game, talvez já conheça. Na pista, ela é muito útil, mas não precisa muito se preocupar pois você estará seguindo o pace car ou outro carro como explico abaixo.

Embora super interessantes, confesso que em um primeiro momento fiquei um pouco assustado com tantas informações importantes e principalmente com o quanto elas são diferentes em relação ao que normalmente fazemos nos nossos carros de passeio. Como frear corretamente. Que hora pisar fundo. Cuidados para não rodar. E tudo mais.

Mas não se assuste não, fazendo tudo conforme as instruções, tenho certeza que você vai se divertir e muito.

Ao final do briefing, o instrutor mostra como sentar-se corretamente no carro, segurar o volante (sim, até isso é diferente em relação ao seu carro de passeio) e ligar o motor. Ah, o ronco de um motor potente... Sabem aquele comercial da Heineken onde as mulheres abrem um closet cheio de roupas e os homens uma geladeira gigante cheia de cerveja, e ambos os sexos gritam de euforia? Se não fosse a vergonha de sermos ali todos desconhecidos uns dos outros, os seis participantes teriam tido a mesma reação diante da alegria ao ouvir o ronco do motor ecoando na sala.
Quando o motor ronca, você sente o sangue ferver.
Findo o briefing, vamos todos para a pista para finalmente pisar no acelerador. Chegando lá fomos colocados em uma van para uma volta de reconhecimento pela pista. Na primeira o instrutor Shawn vai fazendo o percurso e indicando o traçado correto, o momento correto de frear, e as marchas a serem utilizadas em cada trecho.
Chegando na pista a primeira providência é fazer um reconhecimento dela com o Shawn (à direita) - o cara sabe muito!
Já na segunda volta... “Bem amigos...”, como diz aquele narrador. Ele resolveu mostrar como se faz numa volta pé embaixo com a van. Mas pé embaixo mesmo. Nunca imaginei que fosse fisicamente possível fazer isso tudo em uma van! Só mesmo quem entende muito do assunto para uma volta rápida, repito: em uma van. Saí de lá até meio tonto, mas foi muito divertido!

Findo o reconhecimento de pista, somos encaminhados para uma sala anexa para colocação das balaclavas e capacetes – aliás tudo muito limpo.

De lá direto para a quente pista. Não sei se era o calor de 35ºC ou a adrenalina, mas estava quente pacas.
Debaixo do Sol escaldante, a pista parece ferver. E o sangue correr mais rápido nas veias.
Alinhados na pista dois Audi TT preparados para servir de pace car, e os 6 Formula DXB.
Dois Audi TT servindo de Pace Car e os Formula DXB já alinhados na pista.
O primeiro passo é sentar-se no carro. Sabendo que quase todos os pilotos não são muito altos, e como tenho 1,83m, fiquei apreensivo se e como iria caber dentro do carro. E o receio de intalar? Kkkkk Mas seguindo as orientações do Shawn, desci suave para o cockpit. Sabe aquela hora em que você é a criança mais feliz do mundo?
Para entrar no carro, pisa no assento, segura nas laterais, estica as pernas e deixa escorregar. Depois de explicado fica fácil.
Calma que ainda ia ficar melhor. Ele gira a chave da ignição externa, aciono a chave interna e ouço a elétrica rodando. Olho o botão verde perto do volante dizendo para mim: ME LIGA!!! O instrutor dá o ok. Pé na embreagem (já que não tem ponto morto) e dedo no botão, o motor ronda forte como uma deliciosa sinfonia para os ouvidos e você sente o seu corpo inteiro tremer com ele. Uma leve pisada no acelerador faz a rotação subir e seu corpo arrepiar. 
Cara de quem sabe tudo de pilotagem (#SQN). Concentre-se e lembre das instruções. 
Ladies and Gentlemen, start your engines!
Bora ter meus 20 minutos de Senna!!!

Somos divididos em dois grupos de três carros, cada um com o seu pace car. As regras são bem simples: nada de ultrapassagem e siga o pace car. Um conjunto de umas 3 voltas para ajustar os grupos, já que o ideal é que o participante que demonstrar maior velocidade deve sempre ficar atrás do pace car porque é este que irá ditar o ritmo dos demais.

Grupos ajustados, estamos prontos para os 20 minutos mais divertidos que já tive em um carro. Como tudo na vida, as primeiras voltas você faz com um certo receio já que trata-se de uma experiência nova. Pegando-se um pouco mais de confiança e percebendo exatamente quais são os pontos corretos de frenagem, ataque das curvas e aceleração, aos poucos você já se vê mais solto na pista e com o pé mais pesado no acelerador a cada volta.
Driving Experience no Dubai Autodrome.
Acompanhar o. ritmo do pace car não é fácil não.
Breve pausa para reorganizar os grupos.
Sentindo o carro grudar no asfalto nas curvas e você vai percebendo que pode ir um pouco mais além. As frenagens são firmes, e a cada troca de marcha você sente que está sendo literalmente jogado para frente conforme pisa no acelerador. Por ter um centro de gravidade baixo, afinal você está quase que sentado no chão, e a rápida resposta a cada troca de marcha, a sensação de velocidade que você tem dentro do carro é excelente.

Mesmo sendo completamente novato no assunto, chega uma hora em que você percebe-se altamente focado naquilo ao ponto de sentir que você e o carro são uma coisa só. É muito louco e difícil de explicar. Sai dali imaginando como é ser um piloto de corrida, e admirando ainda mais o que estes caras fazem, tanto pelo grau de concentração quanto dedicação necessária para fazer isto tão bem.
Formula DXB.
Olha o balé!
A inclinação do Audi TT dá ideia da velocidade.
Aqui um video com a experiência:

Talvez você esteja se perguntando se cansa – principalmente aqueles que já andaram de kart sabem que você levanta dali moído. Olha, foram 20 minutos de pista e não senti absolutamente nada. Voltaria fácil para mais uma sessão se pudesse!!!

Finda a experiência e ainda sob o efeito inebriante da adrenalina, somos todos conduzidos novamente ao welcome center para troca de roupa, mais um bate-papo com o Shawn e entrega dos certificados. Mais um para a coleção de certificados de aventura!
Mais um para a coleção de aventuras.
Como reservar? Como o autódromo tem muitas atividades ao longo do ano, esta é uma atração que nem sempre está disponível. Já passei outras vezes por Dubai e pelos Emirados Árabes e nunca havia conseguido experimentá-la porque nas datas da viagem não havia atividade.

Considerando isso, o primeiro passo é acessar a agenda de eventos do Dubai Autodrome e verificar se e que tipo de driving experience estará disponível na data da sua viagem. Se você não localizar nada para as suas datas, calma. O calendário abre 1 ou 2 meses antes. Uma vez aberto, corra, porque senão já era. E não pense que é só chegar lá e pilotar. Só mesmo marcando com antecedência já que as vagas esgotam rapidamente.

O valor varia conforme o tipo de experiência. Cada uma tem um veículo diferente e, consequentemente, um valor próprio. Consulte o site do Dubai Autodrome para valores atualizados. O pagamento é feito mediante cartão de crédito e antecipadamente.

Experiência marcada e pagamento feito, é só comparecer no welcome center, que tem um endereço um pouco diferente do autódromo em si. Então siga exatamente as instruções e não faça como eu que por conta de um taxista desinformado fui parar nas arquibancadas e tive que cruzar metade a pé e metade em uma caminhonete graças a um simpático segurança do local. Kkkkk.
Dá para levar a família para assistir.
No final das contas, sai de lá explodindo de alegria, e com uma enorme vontade de trocar o meu PlayStation por um carro de corrida. Alguém aí quer fazer uma troca pau-a-pau???? Kkkkk

Certamente é o tipo de experiência que não só vale cada centavo, como merece ser repetida. Se você curte velocidade, não deixe de incluir no seu roteiro por Dubai uma das driving experiences do Dubai Autodrome.

* O Cumbicão visitou a atração mediante uma parceria estabelecida com o operador local para coletar material para este post. Todas as opiniões e relatos aqui descritos refletem fielmente a experiência, atendendo à política do blog.

Quer receber mais dicas de viagem e saber quando saem os próximos posts?
Curta nossa página no Facebook, aqui.
Siga-nos no Twitter @cumbicao.
E no Instagram – Cumbicão.

Booking.com

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Deixe seu comentário, sugestão ou dúvida aqui